22 de set de 2016

Tea Time




9 End 2 Outs (MBC, 2007) – Lee Jeong-jin tenta, sem muito sucesso, ensinar a amiga Park Soo-ae, as regras da convivência pacífica sobre o mesmo teto.

18 de set de 2016

Os Dramas Viajam no Tempo




Talvez você não tenha se dado conta, mas um tema recorrente na dramaturgia televisiva coreana (e japonesa) é a viagem no tempo. O enredo pode ser absolutamente fantasioso, ou até mesmo inspirado em teorias científicas sérias, mas o fato é que os roteiristas de dramas tem uma quedinha pelo tema. O gancho preferido, é claro, é o do romance que desafia as barreiras da separação por espaço e tempo... Pois parece que não há nada mais romântico que apaixonar-se por alguém que veio de outra dimensão, só para conhecer o amor predestinado pelas estrelas... Infelizmente, para os envolvidos na aventura, ignorar as leis da física costuma ser muito perigoso, e o desfecho de muitas dessas estórias de amor não presume de um final feliz.

À medida que eu tentava puxar da memória os dramas mais conhecidos no gênero, a lista foi crescendo sem parar, e resolvi ficar com esta amostra razoável, contando com os leitores para nos ajudar a acrescentar algum título importante que tenha ficado de fora.

A minha viagem no tempo tem início em março de 2013 com...


Nine: Nine Times Travel (20 episódios, tvN/2013)

Nine: Nine Times Travel é o primeiro drama que me vem à mente quando penso em dramas coreanos do gênero de ficção científica. Com uma estória envolvente e uma trama complexa e repleta de suspense, Nine é um drama inesquecível. Apenas um ano antes o diretor Kim Byeong-soo e as roteirstas Song Jae-jeong e Kim Yoon-joo haviam trabalhado juntos, também na tvN, no drama Queen In-Hyun's Man, que, coincidência ou não, também versava sobre viagens no tempo, mas com um viés bem mais romântico.

O ator Lee Jin-wook é Park Seon-woo, um repórter e âncora de noticiário de TV. Ele flerta com a colega repórter Joo Min-young (Jo Yoon-hee), uma jovem alegre, e um tanto inocente. Joo Min-young viaja ao Nepal para documentar a escalada de um grupo de montanhistas coreanos ao Monte Annapurna. Dias depois ela se surpreende com a visita de Park Seon-woo ao local. O repórter não está nas montanhas a trabalho, mas para tentar encontrar o irmão mais velho, Jeong-woo (Jeon No-min), que desapareceu misteriosamente na região. Jeong-woo é encontrado pela polícia, morto por congelamento. Entre os pertences do irmão, Park Seon-woo encontra um invólucro com nove incensos. Logo o repórter descobre que os incensos tem o poder mágico de transportá-lo para o passado, exatamente há 20 anos. Com este poder inesperado, Park Seon-woo irá tentar mudar eventos trágicos do passado de sua família, que levaram à morte de seu pai. No entanto, não demora muito para que Seon-woo perceba que, ao alterar o passado, ele estará mexendo com eventos futuros, não apenas ligados a sua família, mas de muitas pessoas importantes em sua vida, como sua amada Min-young.


Rooftop Prince (20 episódios, SBS/2012)

O que aconteceria se personagens históricos tivessem a oportunidade de viajar ao presente, e como eles reagiriam às suas mudanças sociais e tecnológicas? Este é um argumento que costuma gerar conflitos interessantes e piadas inevitáveis. E em Rooftop Prince não poderia ser diferente... Quando o príncipe herdeiro Lee Kak (Park Yoochun) se tranporta magicamente para a Seul do século XXI, a confusão está servida! Em plena Era Joseon, o príncipe Lee Kak tem, como era o costume da época, seu casamento arranjado com uma jovem da nobresa, chamada Boo-yong. Acontece que a irmã mais velha de Boo-yong, Hwa-yong (Jeong Yoo-mi) não se conforma com a sorte da irmã e ambiciona ser uma princesa a qualquer custo. Quando Hwa-yong marca o rosto da irmã mais nova com um ferro quente, acaba sendo escolhida como a prometida do príncipe. Tempos depois, já casada com Lee Kak, Hwa-yong é encontrada morta, afogada em um lago do palácio. Quando o príncipe resolve investigar o caso, acaba, misteriosamente, viajando 300 anos no tempo e, junto de seus três fieis guarda-costas, materializa-se no terraço de um modesto prédio de apartamentos de Seul. E é neste instante que o príncipe terá um encontro com o destino, ao deparar-se com uma jovem chamada Park Ha (Han Ji-min), que nada mais é do que a reencarnação de Boo-young. Rooftop Prince não teve uma aprovação unânime da audiência, muito em parte pela oscilação um tanto incômoda entre a comédia romântica e o melodrama. A roteirista Lee Hee-myung (The Girl Who Sees Smells, Beautiful Gong-shim), tem um talento incontestável para criar argumentos originais e atraentes, mas peca, na maioria das vezes, no desfecho de seus dramas. Uma parceria com um escritor mais experiente, ou um PD mais pró-ativo, seria a solução para implementar as falhas desta boa, mas ainda imatura roteirista.
Shin Yoon-sub (Ugly Alert) é um diretor correto, mas talvez um tanto acomodado, que deixou-se levar pelas mudanças bruscas de humor de Rooftop Prince. Apesar dos pesares, eu gostei do final de Rooftop Prince, romântico, melancólico, mas que amarra com muita coerência os eventos iniciais com o destino final de seus personagens.


Faith (24 episódios, SBS/2012)

Faith é a estória fantástica do encontro mais do que improvável entre um guerreiro da primitiva Era Goryeo com uma médica da era contemporânea. Em Faith, existe um portal com passagem de ida e volta entre os dois lados (passado e presente), pelo qual os protagonistas viajam no tempo. Lee Min-ho é o guerreiro Choi Young, que chega ao presente, com a missão de capturar um curandeiro que salve a vida da princesa Nogoog (Park Se-young), prometida do rei Gongmin (Ryu Deok-hwan). É assim que Choi Young arrasta contra a vontade a médica Yoo Eun-soo (Kim Hee-seon) para um dos períodos mais selvagens e conflituosos da história do país. Faith é um drama de direção pesada, efeitos especiais de qualidade duvidosa, e atuações um tanto caricatas. Não vou esconder meu desgosto com este drama, que só é incensado pelas fãs incondicionais de Lee Min-ho. É uma pena que Faith tenha resultado em um drama com tantas debilidades, levando-se em conta que a roteirista Song Ji-na é responsável por um drama clássico, Sandglass, e pelo mais recente Healer, uma aventura romântica das mais agradáveis. Como nota triste ainda fica a morte lamentável do PD Kim Jong-hak (Sandglass, 1995), que cometeu suicídio em 2013.


Splash Splash Love (2 episódios, MBC/2015)

Splash Splash Love é um mini-drama coreano em dois episódios, que poderia muito bem ter sido transformado em filme de sucesso. O diretor e roteirista Kim Ji-hyun é o mentor desta bela e fantasiosa estória de amor transcedental.

Dan-bi (Kim Seul-gi, de Oh My Ghostess) é uma estudante que está se preparando para prestar o vestibular universitário. Insegura sobre sua capacidade intelectual, Dan-bi desiste das provas no último instante, e corre pelas ruas de Seul, em meio a uma chuva torrencial. A adolescente pula em uma poça de água, que é o portal mágico para um passado distante. Presa na Era Joseon, ela se apaixona pelo jovem príncipe herdeiro Lee Do (Yoon Doo-joon, de Let´s Eat).

Splash Splash Love é um drama impecável (talvez por sua curta duração), com um equilíbrio invejável de humor, aventura e romance. Uma das mais belas e românticas estórias de viagem no tempo já encenadas. Imperdível!


Ando Lloyd (10 episódios, TBS/2013)

Os japoneses, grandes fãs (e praticamente inventores) da fantasia moderna, não poderiam ficar atrás na confecção de dramas sobre viajem no tempo. Ando Lloyd é um belo exemplo de drama que mistura ficção científica clássica com fantasia romântica, na melhor tradição japonesa de adaptar o gênero à sua cultura peculiar.

Matsushima Reiji (Kimura Takuya) é um gênio da física, que estuda a teoria dos “wormholes” (portais anômalos que ligariam mundos paralelos). Certo dia, Reiji é morto em circunstâncias pouco claras. A noiva de Reiji, Ando Asahi (Shibasaki Kou), trabalha em uma grande empresa de tecnologia de informática. Tempos depois, ainda abalada com a morte do noivo, ela sofre um atentado contra sua vida. Neste instante surge diante de Asashi um homem chamado Lloyd, que é o sósia exato de Reiji. Lloyd é um androide, vindo do futuro (de 2113), com a missão de proteger Asashi de assassinos, também vindos do futuro. Asashi precisa descobrir quem enviou Lloyd ao presente, e porque Renji desapareceu sem deixar rastros. Descaradamente inspirado em filmes como Matrix, ou o Exterminador do Futuro, Ando Lloyd é um drama feito para quem gosta do gênero, ou ainda, para desfrutar da reunião, após tantos anos do casal Shibasaki Kou e Kimura Takuya, tão amado pelo drama Good Luck!! (2003)


Nobunaga Concerto (11 episódios, Fuji/2014)

Outro drama japonês do gênero é Nobunaga Concerto, baseado no mangá homônimo, de Ishii Ayumi. O ator Oguri Shun interpreta o adolescente Saburo, um garoto pouco ligado nos estudos, mas que se dá bem nos esportes. Certo dia, Saburo é transportado para o ano de 1549, em plena Era Sengoku do Japão antigo. Ali Saburo irá conhecer um importante personagem histórico, o jovem guerreiro Oda Nobunaga, conhecido por sua bravura. Acontece que Nobunaga não era tão corajoso ou forte quanto os livros de história o pintavam. Muito pelo contrário, ele era um homem fraco e doente. Mas o mais surpreendente é que Nobunaga é a cara de Saburo! Aproveitando-se da incrível conincidência, Nobunaga pede a Saburo que assuma sua identidade e lidere a revolução para unificar o país. Será que um mero adolescente vindo do futuro será capaz de sobreviver ao caos de um dos períodos mais sombrios da história do Japão? Coestrelam Shibasaki Kou (de Ando Lloyd) como Ki Cho, a esposa de Oda Nobunaga, Mukai Osamu, como Ikeda Tsuneoki e Mizuhara Kiko, como Oichi.


God´s Gift: 14 Days (16 episódios, SBS/2014)

É difícl imaginar uma tragédia mais terrível do que uma mãe perder um filho, e o que acontece com a protagonista de God´s Gift: 14 Days. Quando sua filha Saet-byeol (Kim Yoo-bin-I) é sequestrada, e mais tarde encontrada morta, afogada, Kim Soo-hyun (Lee Bo-young) não se conforma. Em choque, ela resolve tirar a própria vida, no lago onde a menina morreu. No exato instante em que Soo-hyun se afoga, um homem chamado Gi Dong-chan (Jo Seung-woo) é jogado na água por uma gangue mafiosa. Ambos sobrevivem, mas acordam há exatos 14 dias no passado. Juntos eles irão tentar prevenir a morte de Saet-byeol, além de desvendar o motivo do crime.

God´s Gift: 14 Days tem um elenco sólido, encabeçado pelo casal Lee Bo-young (I Hear Your Voice) e Jo Seung-woo (The Sword With No Name). Ainda temos Jeong Gyeo-woon (Sign), como o detetive de polícia Hyeon Woo-jin, e Kim Tae-woo (Goodbye Mr Black), como Han Ji-hoon, o advogado e marido de Soo-hyun. O fato é que, apesar do belo elenco e produção, God´s Gift: 14 Days foi um dos dramas mais comentados e criticados dos últimos tempos. Nas mãos de uma roteirista fraca, Choi Ran-I (Il Ji-mae, 2008) e de uma produção relapsa, o drama naufragou de forma estrondosa, no momento mais esperado pela audiência, em seu suposto e impactante epílogo. Poucas vezes se viu, ou leu, nas redes sociais, reclamações tão contundentes, e com razão, sobre o desfecho de um drama. Não é questão de protestar sobre o destino dos personagens, mas o modo como a estória foi conduzida. God´s Gift é um drama que deixou um gosto amargo na boca do espectador, por um deslize que, infelizmente, não pôde ser perdoado.


Queen In-Hyun's Man (16 episódios, tvN/2012)

O PD Kim Byeong-soo (Bubblegum, The Three Musketeers) e as roteiristas Song Jae-jeong e Kim Yoon-joo (a mesma equipe por trás de Nine: Nine Times Travel) reuniram-se para contar a açucarada estória de amor intitulada Queen In-Hyun's Man.

Kim Boong-do (Ji Hyeon-woo, de Wanted) é um jovem nobre na Era Joseon. Ele é transportado para o palácio Imperial de Seul, 300 anos no futuro, onde se encontra com a atriz Choi Hee-jin (Yoo In-na). Hee-jin está no Palácio para as filmagens de um drama épico, no qual interpreta o papel secundário da rainha In-Hyu. Queen In-Hyun's Man foi um dos primeiros grandes sucessos da tvN, muito influenciado pelo romance levado à vida real por seus protagonistas, Yoo In-na  e Ji Hyeon-woo. Para mim, Queen In-Hyun's Man é um drama muito abaixo da média, seja pelas atuações, ou pelo roteiro em si. Não me emociona um personagem como Kim Boong-do, um troglodita em seu tempo, que se transforma magicamente em cavalheiro ao cair no século XXI. Se não fosse pela química indiscutível entre o par romântico, duvido que o drama tivesse despertado tanto interesse. Enfim, para quem curte romance pelo romance, é um prato cheio.


Operation Proposal (16 episódios, CSTV/ 2012)

Remake do drama japonês Operation Love (Fuji, 2007), com Yoo Seung-ho (Remember: war of the son) e Park Eun-bin (Age of Youth). Kang Baek-ho (Yoo Seung-ho) é o personagem que viaja ao passado para proteger seu primeiro amor, Yi-seul (Park Eun-bin). Baek-ho e Yi-seul são amigos há mais de 20 anos. Agora que Yi-seul resolveu casar-se, Baek-so começa a questionar seus verdadeiros sentimentos para com a amiga. No dia da cerimônia do casamento, Baek-ho encontra uma antiga carta de Yi-seul, declarando seu amor por ele. Lamentando ter perdido a amada, ele aceita a proposta de um estranho para voltar no tempo e mudar seu destino.


Marry Him If You Dare (16 episódios, KBS2/2013)

Imagine que uma versão sua mais velha viesse do futuro para aconselhá-lo, e o pior, criticar suas decisões do presente. Será que você iria gostar de saber que seus sonhos e metas de vida resultarão em um grande fracasso, mesmo que no momento você esteja tão empenhado em alcança-los? Pensando bem, a premissa de Marry Him If You Dare é uma das mais tolas e frustrantes que um escritor poderia imaginar. Mesmo assim, a esperança de que este drama fosse ao menos romântico e divertido era grande. Tudo por causa da presença do casal de atores Yoon Eun-hye e Lee Dong-gun. Infelizmente, o resultado não poderia ter sido pior. Quem me dera poder viajar no tempo e incomodar a roteirista, até que ela corrijisse o desfecho do drama.

Aos 32 anos, Na Mi-rae (Yoon Eun-hye) resolve começar uma nova carreira, como roteirista. Ela consegue um estágio em uma grande rede de TV, onde trabalha o repórter e âncora de noticiário Kim Shin (Lee Dong-gun). Os dois se envolvem romanticamente, mas uma mulher (Choi Myeong-gil) começa a perseguir Mi-rae, proclamando-se ser sua versão do futuro, aos 57 anos de idade. A princípio Mi-rae não acredita na mulher, mas aos poucos, confirmando a identidade verdadeira desta, começa a questionar suas decisões de vida. O objetivo da viajante do futuro é impedir que Mi-rae se case com o repórter Kim Shin. Ela tenta convencer Mi-rae a envolver-se com o jovem milionário Park Se-joo (Jeong Yong-hwa).

Signal (tvN, 2016)

Um dos argumentos mais inteligentes, originais e divertidos sobre a possiblidade de viagens no tempo, e mundos paralelos. Só mesmo uma dupla brilhante como Kim Won-suk (direção) e Kim Eun-hee (roteiro), poderia ter presenteado a audiência com um drama tão maravilhoso.
O policial Park Hae-young (Lee Je-hoon) encontra um walkie-talkie antigo que, misteriosamente, recebe sinais do passado. É assim que ele se comunica com o detetive Lee Jae-han (Jo Jin-woong), e os dois se unem para resolver casos de polícia. No entanto, eles logo descobrirão que alterar eventos do passado pode trazer graves consequências para suas vidas.

Leia aqui meu review completo do drama.


W (16 episódios, MBC/2016)

A roteirista Song Jae-jeong (Nine: Nine Times Travel, Queen In-Hyun's Man) volta aos dramas, e ao seu tema favorito, a ficção científica, mas desta vez com um enfoque ainda mais complexo, envolvendo não apenas viajens no tempo, mas entre múltiplas dimensões. Bebendo diretamente da fonte criativa das estórias em quadrinhos, Song Jae-jeong une-se ao PD Jeong Dae-yoon (Arang and the Magistrate, She Was Pretty) para engendrar uma estória complexa, mas tão divertida quanto as melhores estórias de super heróis. Basicamente, W (ou W: Two Worlds) conta a estória de amor entre Kang Chul (Lee Jong-seok), o herói que habita uma estória em quadrinhos intitulada “W”, e Oh Yeon-joo (Han Hyo-joo), uma médica que vive no ‘mundo real’. Deliciosamente romântico e repleto de reviravoltas, aventura e suspense, W é um dos dramas mais originais e inspirados dos últimos anos.

Um movimento interessante tem ocorrido recentemente na produção de dramas coreanos, onde os canais de tv a cabo (como tvN, ou OCN) tentam alcançar o padrão das grandes redes abertas (e com isso perdendo em parte seu frescor original), enquanto que estas (MBC, SBS) buscam renovar seu produto, como aconteceu, por sorte, com W.


Moon Lovers: Scarlet Heart Ryeo (21 episódios, SBS/2016)

Moon Lovers: Scarlet Heart Ryeo é uma refilmagem do drama chinês Scarlet Heart (HBS, 2011), que, por sua vez, é baseado no romance Bu Bu Jing Xin, de Tong Hua. Dirigido por Kim Kyu-tae (It´s Ok, This is Love) e adaptado por Jo Yoon-young (Cinderella Man), Moon Lovers é uma ‘fusão’ de fantasia e drama épico, com altas cargas de romantismo.

No presente, Hae-soo (Lee Ji-eun) mergulha em um lago, e um eclipse solar a transporta ao passado, mais precisamente para a Era Goryeo. Ali, ela irá conviver com a mais alta corte do país, cercada de belos príncipes, mas também de inúmeras intrigas palacianas. Os príncipes Wang So (Lee Jeon-ki) e Wang Wook (Kang Ha-neul) irão disputar o amor da jovem Hae-soo.

12 de set de 2016

Tea Time




Second to Last Love (SBS, 2016) - Kwak Si-yang (Mirror of the Witch) dá uma aula de sedução, com um beijo cinematográfico em Kim Hee-ae (Mrs. Cop).

11 de set de 2016

Pan to Soup to Neko Biyori (drama, 2013)




País: Japão
Gênero: Drama
Duração: 4 episódios
Produção: WOWOW

Direção: Matsumoto Kana
Roteiro: Mure Yoko

Elenco: Kobayashi Satomi, Kana, Mitsuishi Ken, Shiomi Sansei, Minami, Kase Ryo, Motai Masako, Kishi Keiko, Ichikawa Miwako.

Resumo

Akiko é uma editora de livros, que mora com a mãe, dona de um pequeno restaurante. Com a morte súbita da mãe, Akiko, que sempre gostou de cozinhar, abre um restaurante especializado em pães e sopas.

Comentário

Ver o drama Pan to Soup to Neko Biyori (Bread and Soup and Cat and Weather) é como fazer uma pausa para um chá, tranquilizante e acolhedor. Os japoneses tem esta capacidade única de simular os eventos mais ordinários da vida, de forma envolvente e empática.

A estória de Pan to Soup to Neko Biyori não poderia ser mais simples, e os sentimentos de seus personagens mais humanos. Como espectadores, nos sentimos como os vizinhos de Akiko (uma fantástica Kobayashi Satomi), que a observam com interesse, e preocupação genuína, mas sem julgamentos prévios.


Nada é tão complicado, mas nem tão simples na vida de Akiko, ou dos amigos que a rodeiam. Akiko parece conformada com a ausência da mãe, mas percebemos suas tentativas de bloquear a solidão, como quando adota um gato que surge à sua porta... Ou quando hesita em desfazer-se do restaurante da mãe, mesmo não guardando lembranças especialmente felizes do lugar. Finalmente, com os problemas financeiros na editora, e o apelo dos amigos da mãe, Yamada (Mitsuishi Ken, de Siren, Lady Joker) e Suda (Shiomi Sansei, de BOSS), para que não feche o restaurante, ela resolver que é hora de tentar uma nova carreira. Assim, Akiko reforma o velho restaurante da mãe, e abre uma lanchonete especialidade em sopas e sanduíches.



Akiko contrata uma jovem chamada Shima para ajudar no restaurante. Shima (Kana, de Toku de Zutto Soba ni Iru) e uma garota alta, de porte atlético, mas muito tranquila e com um humor peculiar e maduro que agrada muito à nova chefe. Juntas, elas formam uma dupla improvável, mas muito entrosada.



O antigo público da mãe desaparece, mas surge um novo, composto essencialmente de jovens, e casais com filhos pequenos. A dona da cafeteria vizinha, Mama (Motai Masako, de I Just Didn´t Do It), gosta de implicar com Akiko, mas seu ar rabugento esconde uma alma calorosa, igual à dos demais vizinhos, Suda (dono de uma floricultura) e Yamada (proprietário de um mercadinho). A jovem Yuki (Minami, de Indigo no Koibito), que trabalha na cafeteria, também fica feliz com a presença de Akiko e Shima, apesar do olhar reprovador de Mama.



O único contato de Akiko do antigo trabalho vem da correspondência trocada com ‘Sensei’ Yamaguchi, escritora de livros de culinária que a incentivou a trilhar a nova carreira. Mas uma surpresa aguarda Akiko, com a visita de uma velha amiga de sua mãe, e que traz revelações surpreendentes sobre o passado da família. Segundo esta senhora, Akiko teria um meio-irmão, um monje chamado Fukusako (o carismático ator Kase Ryo, de Arifureta Kiseki, SPEC).



E é assim, entre pratos deliciosos preparados por Akiko, e seus passeios pela vizinhança tranquilamente provinciana, que os episódios desta bela estória passam, deixando uma lembrança e uma nostalgia agradável no espectador. Momentos preciosos estes passados na companhia dos personagens de Pan to Soup to Neko Biyori.


Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...