23 de ago de 2016

Review de Dramas Coreanos (1º Semestre, 2016)



Já ultrapassamos a metade do ano e temos uma lista muito interessante de dramas a relembrar. Adiantando a tradicional lista anual, comento os meus dramas favoritos (e os nem tanto) até aqui...

Beautiful Gong Shim (SBS, 20 episódios)

Beautiful Gong Shim será lembrado como o drama que redefiniu a carreira de Namgung Min. Depois de tantos papeis secundários, o ator teve a merecida oportunidade de protagonizar um drama em uma grande rede de TV. O diretor Baek Soo-chan e o roteirista Lee Hee-myeong curtiram tanto trabalhar com Namgung Min no drama The Girl Who Sees Smells (SBS, 2015), onde ele encarnou um chef muito sexy e malévolo, que o convidaram para seu novo projeto. Em Beautiful Gong Shim ele é Ahn Dan-tae, um advogado de pequenas causas, que aluga um quarto no terraço do prédio onde mora uma garota chamada Gong Shim (Minah). 


Embora seja classificado como uma comédia romântica, Beautiful Gong Shim acaba desviando o foco da estória para o passado misterioso de Ahn Dan-tae, e a divertida Gong Shim é convertida em coadjuvante involuntária. Lamentável para quem estava torcendo pelo romance entre este casal tão adorável. Mesmo assim, é um drama a ser desfrutado sem muitas preocupações, com destaque para a surpreendente veia cômica de Namgung Min. A partir de agora, exigimos que venham apenas personagens encantadores na carreira deste belo ator...

Entertainer (SBS, 18 episódios)

O que era para ter sido um drama musical leve, voltado ao público adolescente, revelou-se um melodrama pesado, que decepcionou a todos que acompanharam todos os seus infindáveis 18 episódios. A SBS, tão poderosa, acerta e erra quase sempre na mesma proporção, o que prova que nem sempre um alto orçamento é sinônimo de qualidade. O principal problema do drama está no roteiro fraco, a cargo de Yoo Young-a. A escritora tem larga experiência no cinema (Like for Likes, My Paparotti), o que pode, em parte, explicar seus erros básicos no desenvolvimento do roteiro de um drama. 


Mas o que também incomoda muito é a debilidade do elenco jovem (especialmente decepcionantes Hyeri e Kang Min-hyeok), nem tão inexperiente, mas pouco focado (talvez por culpa do diretor). Sobrou para Ji Seong levar o drama nas costas, impedindo o fiasco completo, com uma atuação impecável, que, vergonhosamente, destoava do marasmo geral de Entertainer. Esquecível.

Neighborhood Lawyer Jo Deul (KBS2, 20 episódios)

Esta temporada não foi rica em dramas legais, mas Neighborhood Lawyer Jo Deul, inspirado em um webtoon, foi uma bela surpresa. Não que a estória de um promotor que dá a volta por cima, após ser traído e ir parar literalmente na sarjeta, seja das mais originais. Mas o humor leve e o clima otimista e enaltecedor fazem de Neighborhood Lawyer Jo Deul um dos melhores dramas da temporada. 


A estrela absoluta é Park Shin-yang, no papel do personagem que dá nome ao drama. A interpretação exuberante e ao mesmo tempo desprendida do ator é admirável e enternecedora. Gostei muito de ver mais da faceta cômica de Park Shin-yang, ainda que ele não perca uma grama de charme, mesmo nas situações mais embaraçosas. Um elenco de apoio tão simpático - Kang So-ra, Ryu Soo-Young, Park Won-sang – ajudou muito a fazer deste um dos dramas de maior audiência da temporada.

Doctors (SBS, 20 episódios)

A ponto de encerrar seus trabalhos, aquele que deveria ter sido o drama médico do ano, é, sinceramente, uma decepção. O clima morno entre o casal de protagonistas, Park Shin-hye e Kim Rae-won, e uma trama carente de grandes eventos fazem de Doctors um drama tão nutritivo quanto um algodão doce. Tudo bem que o elenco é encantador, e a produção é impecável, mas a ausência de reviravoltas leva o espectador a um estado catatônico irreversível. 


Um bom drama para aqueles dias que dá vontade de fugir da realidade e apenas curtir lindas neurocirurgiãs circulando pelo hospital, vestindo figurinos deliciosamente absurdos para o ambiente. Só preciso dizer que amo o sorriso de Kim Rae-won, mesmo que ele pareça estar de férias neste drama. E vale prestar atenção em Baek Seong-hyeon, um jovem ator que tem muito futuro!

Wanted (SBS, 16 episódios)

Talvez tenha sido por culpa do drama policial Signal (tvN, 2016), uma produção tão incrível, que fiquei mais exigente com o gênero... O fato é que eu esperava mais de Wanted, um drama que possuía um potencial que, infelizmente, nunca chegou a alcançar. Fiquei muito frustrada vendo Wanted, porque acho que o elenco se esforçou o bastante, embora não tenha conseguido transmitir as emoções necessárias aos personagens. Particularmente, gosto muito da atriz Kim A-joong, que apesar de ser tão bonita, não procura papeis fáceis ou convencionais. Ela esteve fantástica em Sign, e no mais recente Punch... Mas ela parece ter exaurido suas forças no papel da sofrida Jeong Hye-in, uma atriz de sucesso que luta para encontrar o filho sequestrado. 


Também gostei de Ji Hyeon-woo, como o detetive de policia Cha Seung-in, talvez o personagem mais sensível da trama. O maior desperdício, achei, foi a participação de Eom Tae-woong, como o ambicioso produtor de TV Sin Dong-wook. Até agora não entendi o motivo de ele aceitar o papel, ou de escolherem um ator tão bacana para um papel tão insípido. Como gosto muito do gênero suspense, policial, me diverti moderadamente com Wanted, mas fica difícil não reconhecer que os defeitos superam as qualidades desta grande produção. Em comparação, o drama Pied Piper é muito mais satisfatório, e tem uma trama muito similar. Fica a dica!

Mirror of the Witch (jTBC, 20 episódios)

Desde Arang and the Magistrate que não surgia um drama épico de fantasia tão perfeito! Mirror of the Witch pode servir de parâmetro para qualquer roteirista e diretor que queiram produzir um drama de qualidade no gênero.

A única pequena falta do drama foi a perda de ritmo com o prolongamento excessivo da estória (a redução para 16 episódios teria sido o ideal). Apesar da reticência de alguns com a diferença de idade entre o casal protagonista, Kim Sae-ron e Yoon Shi-yoon formam um par romântico encantador! Com uma fotografia etérea, e uma trilha musical que dá o tom perfeito à magia e o romance, Mirror of the Witch é um prazer visual constante para o espectador. A mitologia do drama é muito bem criada, incluindo uma das vilãs mais intrigantes e carismáticas dos últimos tempos, a feiticeira Hong-joo (a belíssima atriz de cinema Yeom Jeong-ah). Aliás, a relação tempestuosa e passional entre os bruxos poderosos Yeom Jeong-ah e Lee Seong-jae é um dos pontos altos do drama. Para quem gosta de épicos, fantasia, e belas estórias de amor, Mirror of the Witch é imperdível!

Let´s Fight Ghost (tvN, 16 episódios)

Seguindo no gênero fantasia, mas agora contemporânea, no clima dos webtoons, a tvN apresenta Let´s Fight Ghost, o drama mais divertido da temporada! Dirigido por Park Joon-hwa, conhecido pelos dramas Let´s Eat, e Let´s Eat 2, Let´s Fight Ghost tem um ritmo que mistura o humor de Scooby Doo, com as batalhas contra as forças ocultas (e o romance sobrenatural) de Buffy, a caça-vampiros. 


A atriz Kim So-hyeon, com sua beleza natural e energia juvenil é a combinação perfeita para o eterno garotão Taecyeon. Nada mais divertido que o romance entre um caçador de espíritos malignos e uma fantasminha camarada... Fofo à décima potência! E só para quebrar o clima sombrio, uma dupla de patetas, Kang Ki-yeong e David Lee, para completar a turma scooby. Prêmio especial para o olhar maléfico de Kwon Yool, que nasceu para interpretar o professor Joo Hye-seong.

38 Task Force (OCN, 16 episódios)

O canal de TV a cabo OCN dá preferência aos dramas policiais e de suspense, mas suas produções ainda devem um pouco em termos de qualidade, ao menos se comparadas às grandes redes, como SBS, MBC, ou até mesmo a tvN. Special Affairs Team Ten, e o mais recente Bad Guys, são exemplos de ótimos dramas veiculados pela OCN, e 38 Task Force foi tão bem aceito que até gerou um movimento da audiência pedindo uma continuação... Não deixa de ser surpreendente que um drama que tem como cenário o escritório de cobrança de impostos de uma prefeitura, tenha feito tanto sucesso. 38 Task Force (ou 38 Revenue Collection Unit) é uma combinação feliz de estória original, e elenco tão simpático quanto inusitado.


Quem imaginaria ver o fortão Ma Dong-seok no papel de um funcionário público reservado, pacífico pai de família, especialmente depois de ele interpretar um assassino perigoso em Bad Guys (quem não amou a surpresa na última cena de 38 Task Force?). Seo In-guk então, está perfeito no papel do estelionatário charmoso Jeong-do – mesmo sem cenas de nudez, ou romance, provocou muitos suspiros no público feminino. 38 Task Force será o drama cult do ano? É provável!

Beautiful Mind (KBS, 14 episódios)

Um drama subestimado pelo grande público, e sabotado pela KBS TV, Beautiful Mind não merecia o destino que teve, ao menos na visão de alguns poucos espectadores. Nada sensibilizou a gananciosa KBS, nem as críticas positivas, nem os admiradores do talentoso ator Jang Hyeok, e o corte imesperado e temido de dois episódios do drama foi inevitável. A roteirista Kim Tae-hee (Sungkyunkwan Scandal) fez um belo trabalho, contando a estória tocante de Lee Yeong-oh (Jang Hyeok), um cirurgião brilhante, mas emocionalmente descapacitado... A policial Gye Jin-seong (Park So-dam) é a mulher que transforma a vida solitária do médico genial. 



O drama tem grandes atores, como Heo Joon-ho (como o pai de Yeong-oh), e Yoon Hyeon-min (cardiologista), mas é Jang Hyeok que protagoniza um dos melhores papeis de sua carreira. Não há adjetivos o bastante para enaltecer a atuação espetacular de Jang Hyeok em Beautiful Mind. Um drama essencial.

17 de ago de 2016

As Novas Promessas do Drama Coreano



Nos últimos anos os dramas têm revelado tantos jovens atores, que é até difícil escolher os que mais se destacam... Recentemente escolhi as minhas atrizes jovens favoritas (Atrizes Coreanas de Futuro), mas agora gostaria de propor uma lista de atores da nova geração, que já são relativamente conhecidos, mas ainda aguardam a oportunidade de protagonizar um drama nos melhores canais de TV. Este é o meu Top 10...


1. Lee Ji-hoon-I (1988)

Poucos atores me entusiasmam tanto quanto Lee Ji-hoon. Não é pouca coisa um ator conseguir destacar-se em meio a um elenco espetacular como o de Six Flying Dragons (SBS, 2015), mas foi exatamente o que aconteceu com Lee Ji-hoon. Certamente não fui a única a reparar no talento do rapaz, pois ele descolou logo em seguida um papel importante no drama de fantasia Mirror of the Witch. Lee Ji-hoon impressiona no papel do torturado rei Seonjo. Agrada-me muito o fato do ator preocupar-se mais com sua atuação do que com a aparência. Já há “flower boys” o bastante infestando os web dramas.


Ainda este ano poderemos vê-lo no muito esperado drama romântico The Legendo f the Blue Sea, da incensada roteirista Park Ji-eun (My Love From the Star, Producers, Unexpected You). Apesar de ser mais um papel secundário, espero que Ji-hoon suba mais um degrau rumo à fama!


2. Baek Seong-hyeon (1989)

A primeira vez que vi Baek Seong-hyeon foi no drama especial White Christmas, seu primeiro papel de destaque (junto a Kim Woo-bin, Lee Soo-hyeok, entre outros). Seu ar intelectual, e ao mesmo tempo meio desligado, tem o seu valor! 


Como o colega Lee Ji-hoon, ele vestiu um traje real recentemente, no papel do rei Sohyeon, no épico Hwajung (MBC, 2015). Agora o ator volta a contracenar com Park Shin-hye, no drama médico Doctors (SBS, 2016), passados 12 anos de seu encontro no melodrama Stairway to Heaven


Baek Seong-hyeon  está simplesmente encantador como o médico residente Pi Young-kook. Mesmo num papel secundário, ele tira o máximo do personagem, nos mais simples gestos e falas, - coisa de profissional!


 3. Lee Yi-kyeong (1989)

Lee Yi-kyeong me faz lembrar um pouco de Taecyeon, por seu ar másculo, mas com jeito de garotão, e por ter surpreendido positivamente em sua evolução como ator. Do pequeno, mas significativo papel em Descendants of the Sun, à boa oportunidade de Mirror of the Witch, Lee Yi-kyeong pode ter um belo futuro profissional, desde que saiba escolher bem seus projetos. 


Gostei demais de seu personagem em Mirror of the Witch, especialmente das cenas mais cômicas com o colega Yoon Si-yoon.


4. Kim Hyeong-gyoo-I (1992)

Mesmo com poucos projetos no currículo, Kim Hyeong-gyoo-I (Glamorous Temptation) já provou ser um dos atores mais versáteis de sua geração. Talvez o ponto de virada em sua carreira tenha sido o drama Last (jtbc, 2015). Só vendo para entender o impacto da presença de Kim Hyeong-gyoo-I em Last, como o guarda-costas Samagwi. Este ano o ator voltou com o drama Beautiful Mind, como Yang Seong-eun, um médico simpático, mas um tanto atrapalhado, mostrando um lado mais doce e cômico.


5. Ahn Hyo-seop (1995)

Enquanto muitos jovens cantores pop são promovidos a protagonistas instantâneos nos dramas, mesmo que seu talento para atuar seja questionável, existem as exceções. Membro do grupo pop One O One, Ahn Hyo-seop tem, cautelosa, mas firmemente, ingressado na carreira de ator. Da aparição tímida, mas notável no mini drama Splash  Splash Love, a um papel mais ‘suculento’ em Entertainer, o cantor demonstra uma bela maturidade profissional. 


Na verdade, entre os jovens atores deste drama musical, Ahn Hyo-seop foi o único que me agradou. Se comparado ao também músico Kang Min-hyeok (CNBLUE), Ahn Hyo-seop é um ator mil vezes mais interessante.


6. Lee Joon-ho (1990)

Lee Joon-Ho, ou Junho, membro da boy band 2PM tem uma carreira modesta, mas elogiada, como ator. Sua estreia foi no filme policial Cold Eyes (2013), contracenando com o grande ator Seol Kyeong-gu. A seguir, protagonizou outro filme de sucesso, a deliciosa comédia dramática Twenty, muito bem acompanhado de Kim Woo-bin e Kang Ha-neul. 


Em 2016 veio seu primeiro drama, Memory (tvN). Junho é um ator tão jovem, mas que transmite uma maturidade emocional impressionante, e talvez seja por isso que ele tem escolhido com tanta sabedoria seus papeis.


7. Nam Da-reum (2002)

Com apenas 15 anos e uma lista invejável de dramas e filmes no currículo, vislumbra-se um futuro brilhante para Nam Da-reum (Chronicle of a Blood Merchant). Seu papel mais marcante até o momento foi o da versão jovem de Lee Bang-won (protagonizado por Yoo Ah-in na fase adulta), no drama Six Flying Dragons (SBS, 2015). 


Sua última aparição foi no drama Memory, no papel de filho de Lee Sung-min. Mesmo tão novinho, Nam Da-reum atua com energia e segurança surpreendentes.


8. Do Kyung-soo (1993)

Conhecido como D.O., membro da boy band EXO-K, Do Kyung-soo gerou frisson com sua atuação no drama It´s Ok, This is Love (SBS, 2014). Realmente é impossível não ficar impressionado com a naturalidade do rapaz, a despeito da absoluta falta de experiência como ator. Depois disso, ele passou a ser disputado pelos produtores de cinema, tendo aparecido em filmes como Cart (2014), Unforgettable (prêmio Ator Popular no PaekSang Arts Awards 2016), co-estrelado por Kim So-hyeon, e Brother (2016). Será que ele volta aos dramas?


9. Kang Ki-young (1983)

Um ator que tem uma maravilhosa veia cômica, no estilo de Lee Kwang-soo, mas com um repertório físico ainda mais ousado. É verdade que Kang Ki-young (Oh My Ghostess) não tem o perfil adequado para tornar-se um galã de dramas românticos, mas será sempre o parceiro ideal para qualquer protagonista. É só vê-lo em Let´s Fight Ghost, roubando todas as cenas. O comediante parece fora de controle, mas é fácil perceber que suas gags são muito bem estudadas. Em uma única cena ele surge completamente composto, e, num piscar de olhos, volta a ser o paspalho de sempre. Em outra cena, Kang Ki-young faz uma auto-sátira, encarnando o médico que está interpretando no drama de fantasia W (MBC, 2016). De estudante colegial em King of High School of Manners (tvN, 2014) a estudante de medicina em W, Kang Ki-young vem conquistando um espaço mais do que merecido nos dramas coreanos.


10. Shin Jae-ha (1993)

É difícil não se apaixonar por Shin Jae-ha, com seu rosto perfeito, e olhar melancólico. E o melhor, ele é um ótimo ator! Este ano, 2016, é o ano do ator, que já acumula quatro projetos televisivos: Remember (SBS), Page Turner (KBS2), Memory (tvN) e o último, Wanted (SBS). Mas seu primeiro papel importante foi no drama Pinocchio (SBS, 2014), na versão jovem de Yoon Gyeon-sang. No mini drama Page Turner ele é um estudante secundarista, e pianista prodígio. 


Já em Wanted ele parece bem mais maduro, interpretando um detetive de polícia. O primeiro papel de protagonista deve estar muito próximo de acontecer para Shin Jae-ha!

12 de ago de 2016

The Technicians (filme, 2014)



País: Coréia do Sul
Gênero: Ação, Policial
Duração: 116 min.
Título original: The Technicians

Direção: Kim Hong-seon
Roteiro: Kim Yang-joong, Kim Hong-seon

Elenco: Kim Woo-bin, Jo Yoon-hee, Ko Chang-seok, Lee Hyun-woo, Kim Young-cheol, Im Joo-hwan.

Resumo

Ji-hyeok é o líder de um grupo ladrões especializados em grandes roubos. Sua missão mais ousada será roubar uma fortuna de um poderoso empresário mafioso.

Comentário

The Technicians (ou The Con Artists, título não tão charmoso) é um dos ótimos filmes da nova safra de talentosos diretores e roteirista do cinema sul coreano. Eu gostaria de poder resumir a crítica do filme à simples recomendação “confie em mim, assista The Technicians”... Tudo isso porque o mínimo spoiler pode arruinar o prazer de ver a película. O (quase) novato diretor, produtor e roteirista, Kim Hong-seon (Broker, 2016) estreou com o reconhecimento imediato da crítica, ao ser premiado no Festival Blue Dragon Awards, em 2012, com o filme The Traffickers. Persistindo no cinema de ação, Kim Hong-seon volta em 2014, com mais uma bela produção, The Technicians, co-roteirizado por Kim Yang-joong.

Para quem se encontra frustrado com a carreira do ator Kim Woo-bin na TV, ao menos é um consolo ver o quanto seu desempenho no cinema é superior, em todos os gêneros. De nada adiantou a Kim Woo-bin (The Heirs, School 2013) refletir tanto sobre seu primeiro projeto como protagonista absoluto em dramas... A escolha do melodrama Uncontrollably Fond não foi nada feliz. Apesar de ter sido escrito pela respeitada roteirista Lee Kyoung-hee (Thank You, Nice Guy), Uncontrollably Fond não convence, com sua fórmula antiquada e atuações sofríveis (especialmente da cantora pop Suzy). É uma pena ver o esforço de um jovem talento como Kim Woo-bin ser tão desperdiçado, e é bem possível que ele volte a priorizar sua carreira cinematográfica. Ironicamente, se você prestar atenção, verá que há uma ligação íntima entre os dramas da escritora Lee Kyoung-hee, e The Technicians (ver elenco).

Ji-hyeok (Kim Woo-bin, de Twenty) é um especialista em arrombamento de cofres, além de ser um brilhante planejador de grandes golpes. Seu braço direito é Koo-in (Ko Chang-seok, de Kill Me, Heal Me, The Front Line), um experto em falsificações. Quando Ji-hyeok decide roubar uma joalheria, pede a ajuda do hacker Jong-bae (Lee Hyun-woo, de To The Beautiful You), apesar de conhecer a má fama do garoto em trair seus parceiros. Ji-hyeok parece cego ao alto risco de roubar os preciosos diamantes, de propriedade de um poderoso mafioso, o presidente Jo (Kim Young-cheol, de Nice Guy).

Quando os capangas do presidente Jo, liderados pelo misterioso diretor Lee (Im Joo-hwan, de Uncontrollably Fond, Oh My Ghostess, Ugly Alert) capturam Ji-hyeok e seus colegas, tudo parece acabado. Mas o presidente Jo pretende usar o trio em um crime espetacular. Em troca da liberdade, Ji-hyeok e os amigos devem ajudar os mafiosos a roubar milhões de won armazenados no porto de Incheon.

O que a princípio parece mais um filme sobre ladrões charmosos versus rivais malvados, revela-se, para a mais grata surpresa do espectador, em uma trama das mais inteligentes e divertidas. Nada mais deve ser dito sobre a estória, a não ser que seu desfecho é certamente inesperado.

Infelizmente, The Technicians é um filme bem machista, e o único personagem feminino, Eun-ha, interpretado por Jo Yoon-hee (Pied Piper, Unexpected You) só tem a função de servir de isca para os criminosos.
Participações especiais de lindinho Daniel Choi (como dono de uma galeria de arte), e de Cha Tae-hyung, como um estelionatário.

Kim Woo-bin está perfeito como um ladrão elegante e misterioso (no melhor estilo David Niven, em A Pantera Cor de Rosa). Só achei que teria sido mais interessante revelar um pouco mais do passado do personagem, ao longo da estória, mas os roteiristas parecem ter ficado com medo de ‘entregar’ suas motivações antes do tempo. Aí faltou um tanto de malícia, e de confiança na capacidade interpretativa do ator. Mesmo assim, The Technicians está muito acima da média de produções similares, e é diversão garantida para qualquer tipo de público.
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...