28 de mar de 2017

As One (filme, 2012)




País: Coréia do Sul
Gênero: Drama, Esporte
Duração: 127 min.

Direção: Moon Hyeon-seong
Roteiro: Kwon Seong-hwi, Yoo Yeong-ah

Elenco: Ha Ji-won, Bae Doona, Choi Yoon-young, Han Ye-ri, Lee Jong-suk, Park Cheol-min, Ki Eung-soo, Oh Jeong-se, Kim Jae-hwa.

Resumo

A estória real do único momento histórico em que as duas Coréias se uniram, para competir em um campeonato internacional de tênis de mesa.

Comentário

Não é de admirar que um filme que conta uma estória (real) tão fantástica tenha tido um sucesso estrondoso nas bilheterias sul-coreanas.

O diretor Moon Hyeon-seong (The King´s Case Files) e os roteiristas Kwon Seong-hwi (Elephant in the Room) e Yoo Yeong-ah (Like for Likes) formam a equipe responsável por este belo drama esportivo, que une três grandes atores: Ha Ji-won, Bae Doona e Lee Jong-suk.

O ano é 1991, e a equipe de tênis de mesa sul-corena prepara-se para as provas de qualificação para o Campeonato Internacional de Chiba. Ha Ji-won (Secret Garden) é a estrela do time, Hyeon Jeong-hwa. E foi a verdadeira ex-campeã, Hyeon Jeong-hwa, quem preparou a atriz para o papel. O resultado foi mais do que satisfatório, já que Ha Ji-won encarna o personagem com toda a energia e gestual característicos do esporte.

Os atletas são surpreendidos com a decisão de concretizar uma unificação entre as duas Coréias, do Norte e do Sul (separadas desde o final da Guerra da Coréia, em 1953), para o campeonato internacional de Chiba, no Japão. O encontro entre as duas equipes (mais do que adversárias, inimigas) é, obviamente, tenso. A adversária direta de Jeong-hwa é a norte-coreana Lee Bun-hee. Nos jogos preliminares, a parceira de duplas de Jeong-hwa, Yeon-jeong (Choi Yoon-yeong , de My Daughter Seo-young) não se sai muito bem, colocando em risco a classificação para a final.

Assim, os treinadores Lee (Park Cheol-min, Beethoven Virus), da Coréia do Sul, e Joo (Ki Eung-soo, Sign), da Coréia do Norte, decidem formar uma dupla forte, com Jeong-hwa e Bun-hee. Bae Doona (The Tunnel) também encarna com perfeição a atleta norte-coreana Lee Bun-hee. Han Ye-ri (Age of Youth) é Yoo Soon-bok, parceira de Bun-hee no tênis de mesa.

É fascinante acompanhar a evolução da amizade entre os atletas desta península dividida por uma guerra tão recente, mas de um passado tão glorioso. Apesar do controle rígido do serviço secreto norte-coreano, é inevitável que um bando de atletas jovens e saudáveis queira interagir de forma mais íntima. Lee Jong-suk (I Hear Your Voice) é o atleta norte-coreano Choi Kyeong-seop, que encanta, com razão, as colegas sul-coreanas, especialmente a romântica Yeon-jeong.

Também é divertido ver atores hoje tão famosos, despidos de glamour, mas dando um show de interpretação e de dedicação aos seus papeis. Nem tanto tempo se passou desde a estreia do filme, mas hoje Ha Ji-won e Lee Jong-suk são celebridades da TV e do cinema... Para quem é fã dos atores, ou simplesmente aprecia bons dramas esportivos, As One é um filme imperdível!

27 de mar de 2017

The Five (Filme, 2013)






País: Coréia do Sul
Gênero: Thriller, Policial
Duração: 123 min.

Direção: Jeong Yeon-sik
Roteiro: Jeong Yeon-sik (webtoon) e Lee Eun-jeong

Elenco: Kim Seon-ah, On Joo-wan, Ma Dong-seok, Lee Cheong-ah, Sin Jeong-geun, Jeong In-gi, Park Hyo-joo, Joo Young-ho, Kim Hyeon-soo.

Resumo

Eun-a quer vingar a morte de sua família e, para isso, resolve recrutar um grupo de pessoas para caçar o assassino.

Comentário

Para quem, como eu, aguarda ansiosamente a volta de Kim Seon-ah á telinha, com o drama Lady With Class (jTBC), vai a sugestão de apreciar uma de suas melhores atuações no cinema, no thriller The Five. Depois de estrelar em sequência dois dramas pouco memoráveis, a aventura Masked Procecutor, e drama romântico I Do, I Do, fica a expectativa de ver Kim Seon-ah em uma produção tão marcante quanto My Name is Kim Sam-soon, ou Scent of a Woman.

The Five é um thriller psicológico que conta a estória impactante de uma mulher que vê sua família ser brutalmente assassinada e arma um plano de vingança contra o criminoso. Jeong Yeon-sik é um talentoso escritor de webcomics que resolveu aventurar-se na direção de seu primeiro filme, baseado em roteiro original, mas com o apoio de um roteirista experiente, Lee Eun-jeong (Cyrano Agency, Love 911) e do diretor de ação Choi Tae-hwan.

Kim Seon-ah (The City Hall) é Eun-a, uma artista especializada em quebra-cabeças tridimensionais. Apesar da profissão diferente, ela leva uma vida tranquila, em uma pequena casa no subúrbio, na companhia de seu marido, Seong-il (Jo Han-cheol, de Neighborhood Lawyer Jo Deul-ho), e da filha adolescente, Ga-yeong (Kim Hyeon-soo, de Solomon´s Perjury).

Na noite em que Eun-a comemorava o aniversário de 14 anos de Ga-yeong, um estranho invade a casa e espanca brutalmente os três membros da família, e apenas Eun-a sobrevive, mas com sequelas físicas gravíssimas.

Dois ou três anos se passam e vemos uma Eun-a física e moralmente decadente, vivendo em um apartamento em ruínas, na periferia da cidade. Sua única companhia é uma simpática assistente social, Hye-jin (Park Hyo-joo, de Wanted), que tenta, sem sucesso, levantar o moral da amiga. O que ela não sabe é que Eun-a está completamente obcecada em descobrir a identidade do assassino de sua família. Com o desinteresse óbvio da polícia em investigar o caso, a única pista de Eun-a é um isqueiro Zippo de seu marido, desaparecido na cena do crime. Para ajudá-la a localizar e capturar o criminoso, Eun-a elabora um plano mirabolante, que envolve a colaboração de um grupo seleto de pessoas, cujos familiares se encontram na fila de doação de órgãos. Assim, com a ajuda do Dr. Choel-min (Jeong In-gi, de Lucky Romance), ela recruta Dae-ho (Ma Dong-seok, de Marriage Blue, Train to Busan), Jeong-ha (Lee Cheong-ah, de Lucky Romance) e Nam-cheol (Sin Jeong-geun, de The City Hall) para auxilia-la na captura do homem que assassinou sua família, e a deixou irreversivelmente paraplégica.

On Joo-wan (Punch) é Jae-wook, um artista plástico underground, que vem chamando a atenção dos galeristas por suas instalações polêmicas e visualmente impactantes. Eun-a tenta descobrir se Jae-wook é seu nêmeses, mas é surpreendida pelo gênio do mal que está a sua espreita. Ao ator On Joo-wan lhe caem muito bem personagens que contrastem com sua aparência angelical, com nos dramas Punch, ou o fantástico The Village: Achiara´s Secret.

Mais além do enredo envolvente (embora nem tão original) está o grupo de atores, compacto, mas eficiente, que desperta a simpatia do espectador, com seus dramas pessoais, e seus dilemas éticos tão simples, mas ao mesmo tempo tão compreensíveis. É fácil colocar-se na pele de pessoas desesperadas por ajudar seus entes queridos a sobreviver, com a oferta tentadora, embora cruel, de sacrificar a vida da vigilante Eun-a. A situação de Eun-a é dramática, mas podemos entender sua paixão obsessiva em vingar a morte de seu marido e filha. É um equilíbrio frágil e moralmente desafiador dos personagens que devem escolher pela vida de uns, para preservar a vida de outros. The Five não tenta pregar lição de moral alguma, mas deixa no espectador um vislumbre do sabor amargo da vingança, por mais justa e finalmente satisfatória que possa parecer.

20 de mar de 2017

Weightlifting Fairy Kim Bok-Joo (drama, 2016)




País: Coréia do Sul
Gênero: Drama, Escola, Esporte
Duração: 16 episódios
Produção: MBC TV

Direção: Oh Hyeon-jong
Roteiro: Yang Hee-seong, Kim Soo-jin-III

Elenco: Lee Seong-kyeong, Nam Joo-hyeok, Kyeong Soo-jin, Choi Moo-seong, Jang Young-nam, Ahn Kil-kang, Kang Ki-yeong, Lee Jae-yoon-I, Lee Joo-hyeong-II, Jo Hye-jeong, Ji Il-joo, Yoo Da-in, Lee Jeong-eun, Jeong In-gi.

Resumo

Kim Bok-joo é uma jovem levantadora de pesos, cujo sonho é tornar-se uma atleta olímpica. Certo dia, na escola, ela reencontra um amigo de infância, Jeong Joon-hyeong, um nadador com futuro promissor no esporte. Apesar de priorizar a carreira esportiva, aos poucos o casal percebe que esta é a melhor fase da vida para se apaixonar...

Comentário

As roteiristas Yang Hee-seong (Oh My Ghostess, King of High School of Manners) e Kim Soo-jin-III (My Only Love Song) inspiraram-se na vida da atleta de levantamento de peso Jang Mi-Ran, para criar uma estória tão adorável, que mais parece uma fábula, Weightlifting Fairy Kim Bok-joo. A direção, também preciosa, está a cargo do PD Oh Hyeon-jong (A New Leaf).


Lee Seong-kyeong (Doctors) é a jovem levantadora de pesos Kim Bok-joo, cujo único sonho é ser uma grande campeã. Ela reside no campus da Universidade de Educação Física Hanwool, onde se dedica exclusivamente aos exaustivos treinamentos diários. Sua diversão consiste em sair para comer (muito!) e beber com as colegas, Seon-ok (Lee Joo-hyeong-II,- A Quiet Dream), e Jeong Nan-hee (Jo Hye-jeong,- Cinderella and Four Knights). Sua rotina é tranquila, exceto pelas rusgas com as vizinhas de dormitório, as garotas da equipe de ginástica rítmica. Como toda garota de sua idade, Kim Bok-joo gostaria de se apaixonar, mas o cara ideal ainda está para surgir em sua vida... E não parece ser o nadador Jeong Joon-hyeong (Nam Joo-hyeok -, Moon Lovers: Scarlet Heart Ryeo, Who Are You: School 2015), apesar de todas as suas qualidades: beleza, talento, simpatia... Acontece que Joon-hyeong, um amigo de infância, ainda guarda a lembrança de uma Bok-joo gordinha e sapeca, e sente prazer em provocar a garota com piadas inconvenientes, mesmo que sua intenção não seja a de magoá-la. Mas o coração de Bok-joo irá bater mais forte ao conhecer o Dr. Jeong Jae-i (Lee Jae-yoon-I,- Heartless City, Oh Hae-young Again), irmão mais velho de Joon-hyeong.


Kyeong Soo-jin (Plus Nine Boys) é a ginasta Song Si-ho, ex-namorada de Joon-hyeong, que volta ao campus depois de uma tentativa fracassada de entrar para o time olímpico de seu esporte. Song Si-ho, além de perder espaço para as atletas mais jovens, não tem recursos financeiros para preparar-se adequadamente para as competições. Deprimida, ela tenta reatar o namoro com Joon-hyeong.

Muitos espectadores têm preconceito com dramas escolares, por achar que é uma temática voltada exclusivamente ao público jovem, mas nem sempre é o caso. Weightlifting Fairy Kim Bok-Joo é um drama que retrata (e homenageia muito apropriadamente) uma das fases mais importantes e divertidas da vida, o período de transição da juventude para a maturidade, tanto emocional quanto profissional. Para quem já viveu esta fase é mais fácil simpatizar e compreender todas as dificuldades pelas quais os personagens deste drama passam. As incertezas profissionais, os conflitos familiares (quando os pais custam a romper o ‘cordão umbilical’ com os filhos) e, especialmente, os primeiros relacionamentos românticos sérios.


O carinho com que as roteiristas e o PD tratam os personagens, e a honestidade com que os temas são abordados, faz deste um drama tão especial quanto sedutor. Como eu havia comentado em outro post, Kim Bok-joo é uma protagonista que foge totalmente dos padrões de beleza e de caráter da maioria das heroínas retratadas nos dramas coreanos. A atriz Lee Seong-kyeong é uma jovem belíssima, que consegue despir-se de qualquer vaidade para retratar a atleta Kim Bok-joo. À primeira vista, é impossível não ficar espantado, e até achar engraçada a aparência ‘rústica’ de Kim Bok-joo, e de suas colegas da equipe de levantamento de peso. No entanto, aos poucos, o espectador é conquistado pela delicadeza do caráter de Bok-joo, e, como Joon-hyeong, começamos a perceber o quão linda é esta garota de braços de aço, e de coração de ouro.

O drama, além de atores jovens muito talentosos, tem um elenco adulto de luxo... Choi Moo-seong (Answer Me 1988) é o treinador Yoon Deok-man, e Jang Young-nam (A Werewolf Boy) é sua assistente, Choi Seong-eun. Na família de Bok-joo temos Ahn Kil-kang (Chuno), como o pai, Kim Chang-geol, e Kang Ki-yeong (Let´s Fight Ghost), como o jovem tio Kim Dae-ho.


Falando no elenco espetacular do drama, outro aspecto que me agradou muito foi a distribuição democrática do enredo entre os vários personagens, dando oportunidade para que todos tivessem suas estórias contadas, e contribuindo assim, para tornar o drama mais verossímil e envolvente. Muitas roteiristas famosas têm o hábito de criar personagens sem passado, sem família, e muitas vezes até sem amigos, que vivem uma existência artificial dentro de uma moldura imposta pela trama. Claro que fica bem mais fácil conduzir apenas um ou dois personagens, mas confesso que sinto falta, em dramas mais realistas, de ver o background do personagem ser melhor delineado. Nem queria citar nomes, mas a baladada escritora Kim Eun-sook tem, sabidamente, verdadeira ojeriza a dramas familiares (daí dá para entender o grande equivoco que foi o drama Heirs).

Em Weightlifting Fairy Kim Bok-Joo os protagonistas têm família e amigos íntimos, os quais, por sua vez, tem papel importante em suas vidas. Bok-joo é órfã de mãe, mas foi criada com toda a atenção possível pelo pai, Kim Chang-geol, que, apesar de sofrer de uma doença renal crônica, administra um restaurante, com a ajuda do irmão, Dae-ho.


Jeong Joon-hyeong foi abandonado pela mãe na infância, mas teve a sorte de ser acolhido pelos tios (os simpáticos atores Lee Jeong-eun e Jeong In-gi), que o criaram como um filho natural. Seu primo, Jeong Jae-i o trata como um verdadeiro irmão mais velho, pegando no seu pé, é verdade, mas também aconselhando sabiamente o jovem nos momentos difíceis. Joon-hyeong, compreensivamente, sente muita falta da mãe, mas reconhece o valor de sua família postiça.

Weightlifting Fairy Kim Bok-Joo é um drama que cala ao coração, independente de idade ou gênero, e que nos traz um exemplo fantástico de empoderamento feminino, com este personagem magnífico que é a levantadora de pesos, a fada Kim Bok-joo.

8 de mar de 2017

Be Positive (web-drama, 2016)




País: Coréia do Sul
Gênero: web-drama, romance, comédia romântica
Duração: 6 episódios
Produção: Naver TV, Samsung

Direção e Roteiro: Lee Byeong-heon-I

Elenco: Do Kyung-soo, Lee David, Chae Seo-jin, Kim Ee-seong, Nam Gi-ae, Kim Jong-soo.

Resumo

O estudante de cinema Hwan-dong enfrenta grandes dificuldades para produzir um filme. Apenas sua ex-namorada, Hye-jeong, uma atriz famosa poderá salvar seu projeto.

Comentário (com spoilers)

Be Positive (ou Positive Physique) é um web-drama financiado pela mega empresa coreana Samsung, com colaboração da Naver TV. A direção e roteiro são de um jovem e talentoso profissional, Lee Byeong-heon-I, conhecido por filmes como Twenty, ou Love Forecast.

E Lee Byeong-heon-I aproveita o gancho do (excelente) filme Twenty para falar sobre as mazelas da passagem da juventude para a vida adulta, nesta refrescante produção para a internet. Um micro-drama tão agradável que deixa no espectador a esperança de ver uma versão mais longa para a estória (de preferência com o mesmo elenco).

Com seu humor realista (mas compreensivamente nem tão pervertido como em Twenty), o diretor/roteirista conta a estória (autobiográfica?) de um estudante de cinema, e de seu reencontro com um amor do passado.

Do Kyung-soo (It´s Ok, That´s Love), é Kim Hwan-dong, um formando em cinema, que luta para levar a diante seu projeto de conclusão, um filme autoral. Quando o diretor do curso, o Prof. Ma (Kim Jong-soo, de Misaeng) avisa o estudante sobre a falta de verba no departamento para a produção do filme, tudo se complica. Aflitos, Hwan-dong e seu colega Hwang In-gook (Lee David, de Bring It On, Ghost) quebram a cabeça para encontrar uma saída para o problema. É aí que o Prof. Ma sugere a eles que convidem para participar do projeto uma jovem atriz famosa, ex-aluna da universidade. A princípio, o que parece uma boa ideia, torna-se uma dor de cabeça para Hwan-dong, já que a atriz em questão é Bang Hye-jeong (Chae Seo-jin, de Will You Be There), sua ex-namorada. Acontece que Hwan-dong e Hye-jeong não tiveram um rompimento dos mais amigáveis... Hwan-dong reluta, mas acaba chamando a jovem para uma entrevista e – para sua enorme surpresa – ela aceita participar da produção, mesmo sem garantia de um cachê, ou de uma exposição favorável. Resolvido o dilema, Hwan-dong monta a equipe de produção, recrutando parentes e amigos, mas ainda falta dinheiro para os gastos essenciais. Primeiro, ele pede dinheiro aos pais (o fantástico casal de atores Kim Ee-seong (Train to Busan, W – Two Worlds) e Nam Gi-ae (Oh Hae-Young Again, W – Two Worlds)), mas eles não parecem muito entusiasmados em investir na carreira de cineasta do filho. A alternativa é partir para o biscate, e Hwan-dong e In-gook tem de cavar muitos buracos (literalmente) para produzir seu primeiro filme.

Ao menos uma boa surpresa para Hwan-dong é descobrir que Hye-jeong não mudou nada, apesar da fama atual. Na verdade, ela tornou-se uma pessoa mais madura e sensata, e é quase impossível para Hwan-dong não se apaixonar de novo pela ex-namorada.

Be Positive traz uma estória simples, mas que trata com sensibilidade e (como sugere o título) otimismo, a importância da amizade, da família, e do amor verdadeiro. O elenco naturalmente encantador acrescenta muito à produção, especialmente Do Kyung-soo, um cantor que revelou recentemente seu talento como ator, e que tem sido requisitado especialmente no cinema, com filmes interessantes como Pure Love, My Annoying Brother, ou o mais recente, Room 7. Seu colega, Lee David já tem uma carreira prolífica tanto no cinema (Split, Pure Love) como na TV (Mirror of the Witch, Who Are You – School 2015). A surpresa agradável está na presença de Chae Seo-jin,  atriz de cinema (Curtain Call, Overman), irmã mais nova da famosa atriz Kim Ok-bin (Thirst, Yuna´s Street).
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...