21 de ago de 2012

Agosto, Menos Dramas e Mais Filmes


Depois de empreender uma pequena maratona para assistir ao menos o primeiro episódio das muitas estréias de dramas coreanos nos últimos dias, a conclusão a que chego é a seguinte: se os novos dramas não entusiasmam, ao menos à primeira vista, é uma ótima oportunidade para ver bons filmes que estavam aguardando na lista de espera.

Um comentário breve (e muito pessoal, se não gosta de ler a opinião alheia, abstenha-se!) sobre os dramas que assisti até agora, os que gostei e pretendo acompanhar, os que ficam pendentes, e os que vão para a guilhotina, sem dó nem piedade!


Arang and the Magistrate (Episódios 1-2)

O grande vencedor da temporada! Graças aos deuses de Hades por este drama incrível, que salvou a dramalândia da mediocridade, ao menos nesse segundo semestre. A expectativa para a estréia dos dramas Arang and… e Faith era enorme, levando a inevitáveis comparações, devido a uma suposta semelhança de temas. Realmente, os dois dramas mesclam a trama histórica (sageuk) com a fantasia, mas felizmente a similaridade para por aí.

Arang and… conta a estória de um jovem de origem nobre, Eun-oh (Lee Jun-ki) que viaja pelo país em busca da mãe desaparecida há três anos. Junto de seu fiel escudeiro, ele chega a uma pequena aldeia, onde acaba sendo nomeado magistrado local. O grande segredo de Eun-oh é a capacidade de ver e falar com espíritos, e é ao cruzar com o fantasma de uma jovem donzela, que sua vida sofre uma grande reviravolta. A missão do magistrado Eun-oh será ajudar a jovem conhecida apenas como ‘Arang’ (Sin Mi-ah) a recuperar sua memória e descobrir como ela veio a falecer.

É difícil uma trama conseguir englobar de forma tão orgância elementos diversos como mistério e terror, drama, romance e comédia. E todos estes elementos fluem tão bem dentro do drama que é impossível não se encantar com cada aspecto do mesmo.

Mais adiante quero postar um comentário mais detalhado sobre o drama, mas posso afirmar que ele me encantou à primeira vista. Um roteiro muito bem resolvido este, que coloca os dois personagens principais na mesma cena em menos de nove minutos de projeção… E por sorte, a empatia entre o casal Eun-oh e Arang (Lee Jun-ki e Sin Mi-ah) é imediata e explosiva.

O resto do elenco (especialmente os ‘guapos’ Han Jeong-soo (Chuno) e Kwon O-joong (Goumet) também é excelente, e direção, fotografia e demais detalhes técnicos são impecáveis. Parabéns à MBC TV, que dessa vez veio para arrasar com a concorrência.

Com Lee Jun-ki e Sin Mi-ah.
MBC, 20 episódios, 4as e 5as-feiras.
Gênero: Sageuk, Fantasia.


Five Fingers (episódio 1)

Melodrama da rede SBS, que parece ter esgotado toda sua munição criativa no primeiro semestre, pois chega agora em marcha lenta, embora com luxo e pompa. Junto do drama fantástico Faith, Five Fingers gerou muita expectativa e comentários, especialmente pela volta do jovem ator Joo Ji-hoon (recém saído do serviço militar, e de uma condenação anterior por uso de drogas)… Sem falar da polêmica recente envolvendo o grupo pop T-ara, do qual faz parte a cantora e atriz Ham Eun-jeong. Deixando de lado fofocas bobas de internet, o que importa é o drama em si. Assim como outra estreia da semana, o drama May Queen, a trama de Five Fingers começa mostrando a infância dos personagens principais. Yoo In-ha (Ji Chan-wook) é o filho único de um empresário de sucesso, Yoo Man-se (Jo Min-ki) dono de uma escola de música. Ele é treinado desde a mais tenra infância pela mãe, Yeong-ran (Chae Si-ra), para se tornar um grande pianista, além de herdar no futuro os negócios da família. Mas tudo muda no dia em que Yoo Man-se traz para casa outra criança, fruto de um relacionamento anterior. Logo eles descobrem que o menino, Ji-sang, tem um talento natural para a música, e passará a  ser um adversário para o irmão mais novo, tanto na música como na titularidade sobre a herança paterna.

Como só assisti o primeiro episódio, em que Joo Ji-hoon (Antique Bakery) aparece apenas de relance na primeira cena, fica em suspenso avaliar o desempenho do elenco adulto, bem como a força da trama. Este será um drama longo (30 episódios) e pelo jeito ultra melodramático. Recomendado para quem gosta muito do gênero novelão, e/ou do belo Joo Ji-hoon. Minhas saudades de Joo Ji-hoon é que me inclinam a dar mais uma espiada nesse drama, mas se for para escolher um melodrama para seguir na temporada, acho que aposto mais em May Queen.

Com Joo Ji-hoon, Ji Chan-wook, Chae Si-ra, Ham Eun-jeong.
SBS, 30 episódios, sábados e domingos.
Gênero: Drama


May Queen (Episódio 1)

Assim como Five Fingers, esse melodrama segue os passos de personagens que se conhecem na infância, até os dias atuais. No primeiro episódio, vemos como o destino é cruel com a garotinha Jeon Hae-joo (Han Ji-hye) que perde o pai, e em seguida é sequestrada e criada por uma família paupérrima.

Na cidade portuária de Ulsan, ela irá cruzar com Kang-san (Kim Jae-won), neto de um soldador, e que sonha em ser um engenheiro naval, e com Park Chan-hee (Jae Hee), cujo passado tem uma ligação íntima e dramática com o de Hae-joo.

Mais uma vez, um melodrama longo (ao menos 32 episódios), mas cuja trama parece melhor construída que a do drama musical Five Fingers. Somente assistindo mais um pouco da estória, e vendo o quão interessantes serão os personagens adultos – que viverão um triângulo amoroso – para saber se vale a pena apostar em May Queen. Vou dar mais uma chance para o ator Jae Hee, que teve azar com seu último trabalho, o fraquíssimo Color of Woman, e porque achei interessante a trama se passar em uma cidade litorânea.

Com Jae Hee, Kim Jae-won, Han Ji-hye.
MBC, 32 episódios, sábados e domingos.
Gênero: Drama.


Haeundae Lovers (Episódio 1)

Por coincidência, muitos dramas foram de muda para o litoral, talvez aproveitando o belo clima de verão. O lado bom disso? Belas paisagens, a galera bronzeada e semi-nua… O lado ruim? O sotaque pra lá de irritante de Busan. Ouvir um personagem falando o ‘dialeto’ local é engraçadinho, mas o elenco inteiro, não é tão agradável assim.

Na agitada praia de Haeundae, na cidade portuária de Busan, vive Go So-ra (Jo Yeo-jeong), filha de um mafioso aposentado. Com a ajuda dos ‘tios’ (na verdade os antigos capangas do pai) ela faz milhares de ‘bicos’, entre eles a pesca, para pagar as dívidas do pai, que sofre de demência. Seu sonho é recuperar o hotel que um dia pertenceu à família, e que foi ‘adquirido’ por um grupo mafioso rival.

Investigando os grupos criminosos da região está o promotor público Lee Tae-seong (Kim Kang-woo), que de tão obsecado com o trabalho, tem a frieza de, a caminho da lua-de-mel (!), deixar sua noiva no hospital, com uma crise de apendicite, para investigar um caso.

Haeundae Lovers tem um ritmo muito truncado em que, por exemplo, as cenas de ação tentam ser cômicas, as engraçadas são apenas bobas, e assim por diante. Sinceramente, acho o ator Kim Kang-woo um grande canastrão (embora bonito), ainda não decidi se acho Jo Yeo-jeong uma boa atriz (em I Need Romance ela era às vezes divertida e muitas outras irritante). Por que ainda dar uma chance ao drama? Porque tem Jeon Seok-won (Rooftop Prince, Doctor Champ) – pena que ele não seja o interesse romântico principal de Go So-ra – e porque é um drama curto (16 episódios) e divertido o bastante para ver sem estresse.

Com Kim Kang-woo, Jo Yeo-jeong, Jeon Seok-won, Nam Gyoo-ri.
KBS, 16 episódios, 2as. e 3as. feiras.
Gênero: Ação, Comédia, Romance.

Faith (Episódio 1)

Lee Min-ho tem uma legião de fãs enlouquecidas? Sim. Ele é alto, lindo e tem um sorriso que abala qualquer mulher que esteja respirando? Sem dúvida. Ele  é um grande ator? Há controvérsias. Antes de ver o primeiro episódio de Faith, li duas opiniões opostas sobre o drama, e logo vi que este é daquele tipo ame-o ou deixe-o, sem meio termo. Sendo assim, vou avisando com antecedência, se viu o primeiro episódio e adorou, parabéns - você certamente é uma fã de Lee Min-ho vai desfrutar de 24 horas de sua presença magnífica na telinha. Infelizmente, não foi o meu caso. Até agora não entendi como a SBS conseguiu investir tanto dinheiro - e certamente os profissionais mais qualificados - em cenários e efeitos especiais, para chegar a um resultado tão decepcionante. Tentei muito me interessar pela trama, pelos personagens, mas o tédio me venceu. A atriz Kim Hee-seon volta à TV depois de uma longa pausa (Smile Again, 2006) como dona-de-casa e, sinceramente, parece que ela perdeu o ritmo. Você até pode se apaixonar por algo à segunda vista, mas é raro, e ao menos para mim, acho que não vai ser o caso com Faith.

Com Lee Min-ho e Kim Hee-seon.
SBS, 24 episódios, 2as e 3as.
Gênero: Sageuk, Fantasia.

Outros dramas que abandonei, não por serem tão ruins, mas por não serem bons ou despertarem interesse o bastante foram I Need Romance (2) (bela embalagem mas pouco conteúdo), Can love Become Money (fazer um bom elenco atuar terrivelmente não é para qualquer um) e The Wedding Scheme (simplesmente medíocre).

8 comentários:

  1. Anônimo6:00 PM

    Ahhhh.... eu gostei de Can love become money. Só o Yun Jung Hoon já vale a pena! =D
    Fora isso, penso o mesmo q vc. Principalmente sobre Faith.
    Beijos!

    ResponderExcluir
  2. Florianopolitano12:25 AM

    Confesso que antes tinha um certo preconceito com filmes que não eram do ocidente. Depois que eu assisti ao filme Blind, fiquei impressionado com a qualidade que os filmes orientais chegaram. Estou começando a pensar na idéia de explorar a internet atrás de filmes que retratem outras culturas. Com certeza este blog pode me ajudar muito com isso, grato pela iniciativa de escrever críticas tão bem elaboradas. Continue escrevendo, não pare.
    Abraço

    ResponderExcluir
  3. Oi Anônimo,
    concordo quanto ao Yun Jung-hoon, mas acho que vou esperar para vê-lo na nova temporada de Vampire Prosecutor.
    Obrigada pelos comentários,
    bjs,
    Sam.

    ResponderExcluir
  4. Caro Florianopolitano,

    uma vez viciado no cinema asiático, não há como voltar atrás! felizmente, é um vício muito saudável.

    Obrigada pelo incentivo,
    e volte sempre!
    grande abraço,
    Sam.

    ResponderExcluir
  5. Estou a adorar o drama May Queen, já vou no episodio 4, é um espectáculo, este drama faz-me lembrar Can you hear my heart , não só poque também entra o ator Kim Jae-won,e Man of Honor. A personagem Hae Joo é magnifica, adoro a sua personalidade. O enredo do drama é muito bom !!! :D

    ResponderExcluir
  6. Confesso que Arang me impressionou muito mesmo porque eu fui assistir despretenciosamente... a fotografia está maravilhosa vamos aguardar o transcurso da história...

    ResponderExcluir
  7. Como dizem "gosto não se discute", eu estava pensando em assistir Can love Become Money, mais estou repensando...em compensação Faith, apesar de vc dizer que não gostou, eu amei. A História é interessante, tem momentos engraçados, o Min-hoo ta ótimo...não é á toa que ganhou 2 prêmios pelo drama...massss cada um é cada um kkkkk
    PS: Uma dica...veja o drama, não se baseie em apenas 1 episódio :D

    ResponderExcluir
  8. Anônimo11:16 AM

    Faith tem uma das cenas mais lindas que já vi em um dorama: Cap. 5 aos 31:30min, o personagem de Lee Min Ho está em coma e devido a acontecimentos que não vou dizer ele não tem a necessária vontade de viver para acordar. Ele sofre uma parada cardiaca e é mostrado em uma outra dimensão onde ele está literalmente congelando em uma linda fotografia em branco e preto. A Dra Celestial faz o possivel para reanima-lo e ai exatamente onde ocorre a cena que comentei no inicio do comentário.

    ResponderExcluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...