28 de dez de 2012

White Christmas (Drama Special)


Ano: 2011
Produção: KBS
Gênero: Drama, Thriller
Duração: 8 episódios

Direção: Kim Yong-soo-I (Equator Man)
Roteiro: Park Yeon-seon (Alone in Love)

Elenco:
Kim Sang-kyeong, psiquiatra Kim Yo-han
Baek Seong-hyeon, aluno Park Moo-yeol
Kim Yeong-kwang, aluno Jo Yeong-jae
Lee Soo-hyeok, aluno Yoon Soo
Hong Jong-hyeon, aluno Lee Jae-gyoo
Esom, aluna Yoon Eun-seong
Kim Woo-bin, aluno Kang Mir
Seong Joon, aluno Choi Chi-hoon
Jeong Seok-won, professor Yoon Jong-il

Resumo

A Escola de Ensino Médio Susin, apelidada de "Escola Prisão", é um colégio de elite frequentado pelos melhores estudantes do país. Suas notas exemplares são resultado de uma pressão constante, e um sistema extremamente rigoroso, ao ponto de os alunos evitarem qualquer atividade além do estudo. É nesta atmosfera sufocante que sete estudantes e um professor permanecem na escola durante o período de férias de inverno, com a presença adicional de um psiquiatra chamado Kim Yo Han, forçado a se abrigar com eles após envolver-se em um acidente de carro. Enquanto celebram a véspera de Natal isolados do mundo, os alunos descobrem que cartas anônimas enviadas a cada um deles não foi resultado de uma brincadeira inocente; há um assassino entre eles. Resta apenas uma pergunta: Os monstros são criados, ou já nascem monstros?

Comentário

Primeiro, estabelecido que se trata de um suspense, é altamente recomendável evitar ‘spoilers’ ou descrições mais detalhadas da estória, sob o risco de estragar o prazer e as surpresas que acompanham este drama.

O que vale a pena ressaltar é a qualidade excepcional do roteiro e da direção, o elenco pequeno, mas obviamente escolhido ‘a dedo’, e a trilha musical de extremo bom gosto. O que desejar mais de um drama especial?

Confesso que a maioria dos dramas especiais coreanos que assisti até hoje foram decepcionantes, para dizer o mínimo. Mas depois de ler tantos comentários entusiasmados sobre White Christmas, pude confirmar que os elogios eram mais do que merecidos.

A primeira coisa que chama a atenção é o cuidado com a produção – incluindo-se fotografia, cenografia e música. Em segundo lugar, e o ponto mais delicado de qualquer drama ou filme, a estória. É no gênero suspense (thriller) que os clichês mais se proliferam e destroem as expectativas do espectador mais exigente, com a maior facilidade. Felizmente, não é o caso de White Christmas, onde o drama é construído em camadas que vão de sobrepondo e criando uma estória concisa e de profundidade psicológica impressionante.

No entanto, como todos sabem, a melhor das produções pode ser arruinada por um elenco mal escolhido (‘miscasting’ é o termo inglês, muito apropriado). Pessoalmente, não gosto muito de estórias que reúnam um elenco principal muito grande, pois a chance da trama sair enfraquecida no processo é muito grande, e proporcional ao número de personagens. Mas não é o caso deste drama, pois cada personagem – especialmente os estudantes – é tratado com atenção especial. E cada um dos atores brilha sem exceção em seu papel, coisa raríssima neste tipo de situação.

É claro que é natural a tendência do espectador se identificar mais com este ou aquele personagem. E tratando-se de uma estória que se passa dentro de uma escola, quem já passou ou ainda se encontra nesta fase da vida, certamente vai se reconhecer em um dos personagens – o tímido, o estudioso, o gênio desligado, o rebelde, e assim por diante.

Talvez o personagem mais interessante e simpático – e que pode ser considerado o personagem central da trama - seja Park Moo-yeol (interpretado brilhantemente pelo jovem Baek Seong-hyeon, do drama BIG), pois reúne várias características marcantes, como inteligência, charme, coragem, e um toque de timidez. Ele parece ser o personagem mais equilibrado, mais normal, embora as aparências muitas vezes enganem, e é da natureza humana que certas fraquezas sejam expostas em momentos de crise ou estresse.

E este é o ponto de questionamento da estória: somos todos normais, até sermos pressionados a agir de forma irracional? Ou somos capazes de controlar nossos instintos mais primitivos, mesmo nas situações mais ameaçadoras? Nascemos monstros ou a sociedade pode nos transformar em monstros? Um questionamento intrigante, perturbador e muito difícil de ser respondido.

Mas é o que White Christmas tenta esclarecer e, se a conclusão é correta ou não, fica a cargo do espectador decidir. O certo é que o drama traz referências claras a romances como O Senhor das Moscas, ou a filmes como O Silêncio dos Inocentes, que lidam com temas psicológicos complexos.

Para quem não tem preconceitos sonoros e gosta de música de qualquer gênero, desde que seja boa, White Christmas é um prato cheio – vale correr atrás da trilha musical após concluir os oito episódios eletrizantes do drama. Do rock nervoso de AC/DC à música clássica de Mozart , da ultra pop Britney Spears ao eletrônico elegante de Massive Attack, a mistura improvável, estranhamente, se encaixa perfeitamente em cada cena, sem ficar ‘over’.

Não vou me deter individualmente nos atores, pois são todos maravilhosos, e embora muito jovens, já são bem conhecidos do público que acompanha os dramas coreanos. Mas vale destacar a presença sempre impressionante de Kim Sang-kyeong, que raramente dá o ar da graça na TV, por estar muito ocupado com sua carreira cinematográfica. Recomendo assistir qualquer filme que puder com este ator – que acaba de estrear a megaprodução The Tower, filme catástrofe, com grande elenco.

3 comentários:

  1. Gostei muito*.* conheço ja alguns dos atores, mas não acho para download ><, se você saber, ou alguém que souber por favor posta o link

    ResponderExcluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...