21 de jun de 2016

Goodbye Mr. Black (drama, 2016)


País: Coréia do Sul
Gênero: Melodrama
Duração: 20 episódios
Produção: MBC

Direção: Han Hee, Kim Seong Wook
Roteiro: Moon Hee-jeong, Hwang Mi-Na (webtoon)

Elenco: Lee Jin-wook, Moon Chae-won, Kim Kang-woo, Song Jae-rim, Yoo In-young.

Resumo

Cha Ji-Won nasceu em berço de ouro, mas prefere renunciar à administração dos negócios da família, para investir na carreira militar, como um bravo oficial das Forças Especiais da Marinha Coreana. No entanto, sua vida tranquila é abalada por uma grande traição, tornando-o um foragido da justiça, durante uma viagem à Tailândia.  Tempos depois, Ji-won volta a Seul, com uma nova identidade, e com planos de vingar-se daqueles que destruíram sua vida, e a de seus entes queridos.

Comentário

Goodbye Mr. Black é uma adaptação livre do webtoon de mesmo nome, de autoria de Hwang Mi-na, publicado em 1983. A inspiração para o enredo, por sua vez, vem do romance clássico O Conde de Monte Cristo, do escritor francês Alexandre Dumas. O romance original conta a estória de um jovem que é traído por seu melhor amigo, e sua noiva, acusado de um crime que não cometeu, e que reaparece com uma nova identidade para concretizar sua vingança.


Moon Hee-jeong, roteirista da velha escola do melodrama, é conhecida pelo romance clássico Stairway to Heaven (2003), e por obras mais recentes como Smile You (2009), Can You Hear My Heart (2011), e Missing You (2012). A direção ficou a cargo de Han Heui (Empress Qi) e Kim Seong Wook (The Great Wives).

A impressão que dá, às vezes, é que as grandes redes de TV (SBS, MBC, KBS) vivem numa corrida desesperada atrás de novos projetos (sejam dramas ou reality shows) para preencher suas grades de programação e, como consequência, muitas vezes perdem o controle dos mesmos. Quantos dramas partem de uma grande ideia, e acabam em fiasco... O nível da produção de Goodbye Mr. Black poderia ser comparado à de um dos maiores sucessos dos últimos tempos, o drama Descendants of the Sun. Com gravações em um cenário tropical espetacular (a Tailândia), cenas de ação cinematográficas, e um elenco bonito, Goodbye Mr. Black não chegou nem perto da fama alcançada pela concorrência. No entanto, Goodbye Mr. Black é o tipo de drama que reúne aspectos muito interessantes de serem analisados, sobre as dificuldades da construção de um melodrama de sucesso.

Goodbye Mr. Black tinha tudo para ser ao menos um bom makjang. Se Moon Hee-jeong não é uma roteirista brilhante, ao menos é experiente o bastante para criar uma estória de apelo popular. Infelizmente, o impacto da trama de vingança do Sr. Black vai se diluindo ao longo dos episódios, levando a um desfecho rocambolesco e totalmente inverossímil. Um de cada três dramas coreanos tem como tema, mesmo que secundário, algum tipo de revanche espetacular. Francamente, o público anda saturado deste tema... Mas, ironicamente, se Goodbye Mr. Black tivesse seguido a risca o texto original (de Dumas), poderia ter sido mais surpreendente. Infelizmente, a roteirista optou por desfazer-se dos aspectos mais impactantes do original.


Deixando um pouco de lado as fraquezas do roteiro, prefiro me concentrar no elenco do drama. Para começar, os atores estavam todos muito investidos em dar dimensão a seus respectivos personagens. Um bom ator é capaz de sustentar um personagem mal definido, mas há um limite para seu poder de abstração. Mesmo assim, acho que o elenco deste drama fez milagres, diante de diálogos antiquados, e uma direção frouxa.

Temos dois casais protagonistas: Cha Ji-Won e Kim Swan, Min Seon-jae e Yoon Ma-ri. O engraçado é que o envolvimento (a amizade e posterior disputa) entre Cha Ji-Won e Min Seon-jae tem um peso muito maior que o triângulo amoroso com Ma-ri, ou o novo amor de Swan.


Acho que este ‘desvio’ no foco da trama foi involuntário, já que houve um esforço, infelizmente fracassado, em destacar o personagem de Moon Chae-won (Mood of the Day, Nice Guy). Não é culpa, de forma alguma, da atriz, mas Swan é simplesmente um personagem feminino pouco interessante. Ela até tem seus bons momentos... A beleza etérea de Moon Chae-won só favorece o personagem, especialmente no início da estória, quando ela vive como a órfã Khaya, correndo pelas praias paradisíacas tailandesas. Já na Coréia, sua energia estranhamente se desvanece... O corte de cabelo muito curto e o figurino pouco feminino também não ajudam em nada...



Lee Jin-wook (The Time I Loved You, The Target), por outro lado, nunca esteve tão espetacularmente lindo, vestindo o uniforme branco de oficial da marinha. Um tanto magro, e sem músculos definidos, ele pode não convencer muito como um membro das forças especiais da marinha, mas seu sorriso brilhante compensa tudo. Entretanto, se a beleza e simpatia do ator encantam, o personagem encarnado por ele não me conquistou. Cha Ji-Won nos é apresentado como um homem que leva uma vida livre e despreocupada. Cha Jae-wan (Jeong Dong-hwan, de The Heirs), pai de Ji-won é CEO de uma grande corporação, com negócios espalhados pelo continente asiático. O Sr. Cha, que também foi militar, cede à vontade do filho de seguir a carreira na marinha, embora espere que um dia ele assuma a direção da empresa. Mas, apesar da saúde um tanto frágil do pai, Ji-won não parece muito preocupado com seu futuro de herdeiro de milhões. Quando sua vida sofre uma reviravolta, e ele volta como Mr. Black, sua única motivação é a vingança... Mas nós nunca ficamos sabendo como ele passou os últimos cinco anos desaparecido, até reaparecer como um homem frio (mas nem tanto), para reivindicar a fortuna perdida. Mr. Black não consegue ser o personagem misterioso, sedutor e merecedor de redenção que foi o Conde de Monte Cristo, o grande herói que o inspirou.



Se há um personagem que cumpre em parte este papel é Min Seon-jae. Kim Kang-woo (Marriage Blue, Ha Ha Ha, Missing Noir M), como Min Seon-jae, é mais um anti-herói do que um vilão tradicional. Seon-jae é um personagem tão complexo e intrigante, que chegou um momento em que ele pareceu ter se apossado não apenas da vida de Ji-won, mas da estória em si. Se a autora tivesse um pingo de genialidade, teria criado uma obra prima, jogando para o escanteio Mr. Black, e transformando Seon-jae em protagonista da trama. A única explicação para o destaque involuntário de Seon-jae está na atuação brilhante de Kim Kang-woo (este sim, com o corpo esculpido de um mariner!). É impossível não simpatizar, inúmeras vezes, com Seon-jae, e seu complexo de inferioridade diante de Ji-won. Seu amor obsessivo por Yoon Ma-ri (Yoo In-yeong, de Oh My Venus, Mask), a noiva de Ji-won, é lamentável. Mas é ela que decide casar-se com Seon-jae, embora tente fazer-se de vitima, quase até o final... A redenção de Seon-jae pode parecer forçada, mas é mais satisfatória que o resultado caótico do plano de vingança de Mr. Black.

Não me arrisco a indicar enfaticamente Goodbye Mr. Black, mas também não posso classificá-lo como um drama menor. O drama me deixou boas lembranças, de paisagens fantásticas, do sorriso de Lee Jin-wook, e de uma atuação magnífica de Kim Kang-woo, um ator de quem já sou fã de carteirinha.

8 comentários:

  1. Oi Sam.
    Novamente vejo meus sentimentos expressos em sua resenha.Goodbye Mr.Black me emocionou e até me prendeu maas não seria um drama que eu veria de novo.Apesar do elenco já conhecido e da obra ser baseada em um conto de sucesso,pude sentir a fragmentação da trama no sentido de manter pelo menos um pouquinho da idéia original e ai tudo ficou muito agua com açúcar.
    Sem dúvida,como boa apreciadora da beleza masculina que sou,l não pude deixar de apreciar Lee Jin Wook com suas roupas sob medida e seu sorriso de sol que realmente é um espetáculo quando acontece.
    Protagonistas femininas aguadas,vilões que não queriam ser vilões e bandidos totalmente caricatos comprometeram Mr.Black sim e como voce disse,a corrida pela audiência das emissoras as vezes poe tudo a perder.Ainda assim acho que dá pra assistir e ser feliz se não tiver grandes expectativas.E assim vamos indo sempre esperando um pouco mais do mesmo.
    Beijo Sam.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Muitíssimo obrigada, Patrícia, por compartilhar sua opinião sobre GMB, eu tenho muita curiosidade sobre o que outras pessoas acharam sobre o mesmo.

      E fico muito satisfeita em saber que não fui só eu que curtiu o drama, pesem todos os seus defeitos... Como você disse, não é um drama memorável...Mas ao menos teve seus momentos de diversão, e de dois colírios, Lee Jin-wook e Kim Kang-woo. Espero que o segundo volte ao protagonismo em breve!

      bjs,
      Sam.

      Excluir
  2. Fran Oliveira8:45 PM

    Oi Sam, tudo bem?

    Mais um resenha certeira sua, eu fico tão frustrada quando sou privada de algo que poderia ter sido tão bom, mas não é! Quando li as primeiras noticias sobre Goodbye Mr. Black, estava curiosa sobre como eles contariam essa historia, mas tudo que eu conseguia fazer era olhar o relógio e me perguntar quanto tempo mais eu teria que ficar olhando aquilo, até eu me lembrar que não tinha nenhuma obrigação de continuar vendo aquilo, desistir no episódio que ele retorna, durante uma festa, acho, minha mente ia dispersando.

    Um elenco bonito, Lee Jin-wook é lindo, mas não consigo acha ele carismático, sendo bem sincera, acho uma parede secando mais carismático que ele, Moon Chae-won sempre entregando o seu melhor dentro do possível.

    É um drama esquecível, uma pena.

    Agora sobre historias repetitivas, eu sou da opinião que os bons e velhos clichê sempre darão boas historias, o problema não é o clichê, mas como se conta o mesmo, eu não conheço, ou melhor não conheço nada, sobre os escritores de drama coreanos, se são "velhos", com ideias "velhas", talvez uma sugestão de um poste futuro sobre quem são os novos roteiristas nos dramas coreanos!

    Bem, como sempre Sam você captar tudo que eu penso sobre um drama e coloca em palavras.

    Beijos e até o próximo poste.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Fran,

      achei divertida e pertinente sua observação sobre ficar sofrendo vendo um drama "fraco", ao invés de desistir de vez! Normalmente, se eu acho o drama muito ruim, largo logo no primeiro ep., mas às vezes fica aquela esperança de que a coisa vai engrenar, e acabo indo até o fim... Especialmente quando eu curto o elenco, vejo só para prestigiar os atores... Ou então, se o drama é ridículo, mas está fazendo sucesso (não vou citar nomes, rará) assisto até o fim, só pra poder comentar com juízo sobre o mesmo.

      Sobre os roteiristas coreanos de dramas - a maioria mulheres, mas tem sugido mais rapazes escritores de drama, felizmente, - tem de todas as idades, mas as mais velhas costumam se dedicar mais aos makjangs (os melodramas longos de fim de semana). Então não dá para julgar a qualidade de uma série só pela idade do escritor... E muitas vezes o PD "mete a colher" e acaba melhorando, ou até mesmo arruinando o roteiro (como em Cheese in the Trap). O drama "On Air" dá uma boa noção de como funciona os bastidores das produções de dramas. Para quem não viu, é uma boa dica!

      obrigada por seu excelente comentário,
      bjs,
      Sam.

      Excluir
  3. Mr Black tinha tudo pra ser o melhor drama do ano mas de algum modo a coisa desandou e saiu rolando ladeira abaixo. Dá pena mesmo, aquele drama tinha um super potencial. Aquele romance foi a pior coisa do drama. Khaya e Black era interessante, Swan e Black me dava náuseas.

    [SPOILER]

    Até hoje eu nunca entendi a necessidade de ter incluído aquele morre não morre. Se Swan tivesse mesmo morrido seria bem mais interessante. Eu assisti o último episódio totalmente incrédula com o que eu estava assistindo.

    Pensa comigo, o cara é incriminado, foge, o amigo rouba a mulher e o dinheiro dele. Ele volta com todo um esquema de vingança e se apaixona pela filha do cara que matou seu pai, fora que ainda ela tem toda uma história por trás. Como esse drama virou aquele desastre? Eu fiquei super empolgada com esse drama, inclusive achava injustissímo ele ser ofuscado por Descendants, que vamos combinar que é apenas um drama de romance com uma $$$$$uper produção (Ainda assim gostei de Descendants).

    É uma grande pena o rumo que aquele drama tomou. Eu geralmente abandono dramas assim, como eu tive que legendá-lo não pude abandona-lo. Sofri, sofri, sofri hahaha. Não recomendo, mesmo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Luppi,

      sobre as reviravoltas tolas do final, concordo com você... teria sido ao menos uma surpresa - chocante mas ousada - de matar Swan. Mas não, tiveram que levar o desastre até as últimas consequências... Um desfecho anti-climático e risível. Pena mesmo...

      Mas já que você mencionou Descendants, não resisto a uma alfinetada: o final deste drama também foi ridículo... Parece até que a roteirista abandonou o barco e deixou o estagiário encarregado. Piadinha sem graça, vulcão no Canadá (?).

      Excluir
    2. Pois é. Não que eu tenha achado Descendants ruim, na verdade eu achei uma injustiça a oportunidade perdida que foi esse drama. Tinha plot de soldado, guerra, conspiração, romance, médica. Um cast recheado de gente bonita, paisagem paradisíaca, além da super produção $$$. E o que o eles fazem? Um drama de romance. Não desmerecendo os dramas de romance, mas tinha tanta coisa que poderia ser explorada em Descendants que dá até pena.

      No geral eu gostei do drama, era divertido de qualquer maneira. E sim, sobre o final tens total razão. Bem desnecessário aquela cena da festa de casamento.

      Se for pra eleger o melhor do ano (até o momento) pra mim é Another Miss Oh <3
      Você acompanhou Marriage Contract?

      Pergunta, você assistiu o drama abaixo? Eu vi mas não entendi o final e ninguém que eu conheça assistiu ele. KKKK

      asianwiki.com/Babysitter_(Korean_Drama)

      Excluir
    3. Oi Luppi,

      começando pelo fim, não vi Babysitter... Será que vale a pena? Achei o elenco meio estranho (exceto pela Cho Yeo-Jeong).

      Também acho que Another Miss Oh deve ficar no topo da lista de melhores... Mas estou gostando demais de Beautiful Mind (adoro a combinação de suspense e romance). Pena que a KBS está tentando sabotar o drama...

      Eu também fiquei decepcionada por DOTS não ter se levado mais a sério, podia ter sido um drama com uma mensagem bonita (SPOILER ALERT... até achei que se o Song Joong-Ki tivesse morrido teria sido mais interessante).

      Só sei que a KBS está me tirando do sério, este ano... Que rede mais oportunista!

      bjs,
      Sam.

      Excluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...