10 de dez de 2010

Moss (filme, 2010)




"You should live like moss, you know, quietly, almost invisibly, stuck underneath a stone"

País: Coréia do Sul
Duração: 163 min.
Gênero: Drama, Thriller
Direção: Kang Woo-seo
Roteiro:  Jeong Ji-woo
Elenco: Jeong Jae-young, Park Hae-il, Heo Joon-ho , Yoo Seon, Yoo Joon-sang, Yoo Hae-jin.
Resumo

Ryoo Mok-hyeong (Heo Joon-ho), um membro de um culto religioso localizado em uma vila remota, é respeitado por sua liderança e talento para a pregação. Para construir uma nova igreja ele pede ajuda do policial Cheon Yong-deok (Jeong Jae-young). Muitos anos se passam e Mok-hyeon é encontrado morto após beber em companhia de Yong-deok. O filho de Mok-hyeong, Hae-gook (Park Hae-il), chega de Seul para o funeral do pai que ele não via há anos. O jovem logo descobre que os moradores da vila estão tentando esconder algo dele sobre as circunstâncias da morte do pai. Hae-gu então planeja descobrir a verdade sobre o passado do pai. 

Comentário (com spoilers!)

Moss é baseado em um ‘manhwa’ que fez tremendo sucesso na internet em 2009. Eu não li os quadrinhos originais, mas em entrevista o diretor do filme comentou ter modificado a estória, principalmente seu desfecho. E a maioria dos comentários de quem é fã do ‘manhwa’, sobre o filme, não é dos mais elogiosos. Mas partindo-se do princípio de que a maioria das pessoas não conhece o original, vamos nos deter apenas no filme.

Kang Woo-seok é um dos melhores diretores de cinema da Coréia do Sul; dirigiu um de meus filmes favoritos, Silmido(em DVD no Brasil). Assim sendo, um dos destaques de Moss é a direção – não é a toa que ele já recolheu prêmios de melhor direção em vários festivais este ano.

Mas o ponto forte do filme certamente é o elenco. Que grupo impecável e coeso de atores! Sem histrionismo, cada ator constrói seu personagem de forma única e marcante. Apesar de Kang Woo-seok ser considerado um diretor de ‘blockbusters’, acho que uma de suas maiores qualidades é a direção de atores – vide o já citado ‘Silmido’, outro exemplo de um casting inesquecível. Os demais detalhes técnicos e artísticos do filme também são nota dez: fotografia, design, música, etc.

Moss é um filme longo, 163 minutos. Quando assisti ao filme, não sabia qual era a sua duração, e não percebi o tempo passar. Na verdade, fiquei com a sensação de que faltava muito para contar. Às vezes o artifício do flashback pode ser bem irritante, mas nesse caso, parece ter faltado mostrar mais do passado dos personagens, especialmente a transformação na relação do evangelizador Mok-hyeong com seus seguidores e com os homens que o ajudaram no sonho de criar uma ‘sociedade alternativa’.

Pode-se dizer que a estória se desenrola muito bem, de forma pausada, mas muito climática, com cenas assustadoras (como a da fuga pelo túnel) de puro terror psicológico. Jeong Jae-young, como o ex-policial e líder da vila, Cheon, é um dos personagens mais assustadores da estória do cinema. Achei que ele ficaria caricato com aquela maquiagem de velho, mas não, é uma transformação impressionante, tanto na voz como na postura – você se esquece do ator e acredita e teme o personagem. É um dos grandes motivos pelo qual vale muito à pena desfrutar desse filme.


Como já mencionei, todo elenco é maravilhoso. Impossível esquecer-se do olhar de Park Hae-il em Memories of Murder, grande jovem ator.Yoo Joon-sang (como promotor de justiça) é um charme, e seu personagem divertido dá certo alívio merecido aos demais momentos soturnos do filme. Aliás, é outra qualidade do diretor Kang, sempre dar um toque de humor (sem cair no ridículo) aos seus filmes.

 Acho que o que as pessoas mais podem reclamar de Moss é – sim- o seu final. Depois de tanto suspense, o desfecho é bastante frustrante, anticlimático mesmo. Mas por outro lado, analisando pela razão e não pela emoção, é um final razoável por seu realismo. Afinal, apesar do suspense, não se trata de uma estória de fantasmas ou bruxarias. E o que move- sempre – a raça humana? Dinheiro, poder, e de preferência os dois juntos. E sempre que se mistura religião e os dois ingredientes acima, a coisa vai mal.

Assista Moss, tire suas próprias conclusões, e depois trate de ver todos os filmes do ator Jeong Jae Yeong, pois ele é maravilhoso!

Mais...

O jovem ator Park Hae-il (1977) debutou no cinema coreano com Waikiki Brothers, e segue uma carreira de muito sucesso e com muito respeito da crítica. Alguns filmes: Memories of Murder (DVD, Brasil), The Scent of Love, Rules of Dating, The Host (DVD, Brasil). Seu mais novo projeto é Heart Is Beating, com Kim Yoo-jin (da série Lost).


Jeong Jae-yeong (1970), um dos grandes astros do cinema coreano, já trabalhou com alguns dos diretores mais importantes de seu país, e recebeu prêmios como o Blue Dragon Award (Melhor Ator em 2004, pelo filme Silmido). Fimografia: The Divine Weapon, Castaway on the Moon, Going by the Book, entre muitos outros.

Yoo Joon-sang (1969): Ha Ha Ha (2009), The Days of My Youth (2010).


Prêmios do Filme:
- 2010 Blue Dragon Awards: Jeong Jae-young , Melhor Ator; Yoo Hae-jin, Ator Coadjuvante;  Kang Woo-seok, Direção.
- 8th Korea Film Awards: Yoo Hae-jin, Ator Coadjuvante.
- 47th Daejong (Grand Bell) Film Awards: Kang Woo-seok, Direção; Efeitos Sonoros, Direção de Arte e Fotografia.
- 18th Icheon Chunsa Film Festival: Melhor Filme, Direção, Fotografia, Edição, Música; Yoo Joon-sang, Ator Coadjuvante.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...