20 de mar de 2017

Weightlifting Fairy Kim Bok-Joo (drama, 2016)




País: Coréia do Sul
Gênero: Drama, Escola, Esporte
Duração: 16 episódios
Produção: MBC TV

Direção: Oh Hyeon-jong
Roteiro: Yang Hee-seong, Kim Soo-jin-III

Elenco: Lee Seong-kyeong, Nam Joo-hyeok, Kyeong Soo-jin, Choi Moo-seong, Jang Young-nam, Ahn Kil-kang, Kang Ki-yeong, Lee Jae-yoon-I, Lee Joo-hyeong-II, Jo Hye-jeong, Ji Il-joo, Yoo Da-in, Lee Jeong-eun, Jeong In-gi.

Resumo

Kim Bok-joo é uma jovem levantadora de pesos, cujo sonho é tornar-se uma atleta olímpica. Certo dia, na escola, ela reencontra um amigo de infância, Jeong Joon-hyeong, um nadador com futuro promissor no esporte. Apesar de priorizar a carreira esportiva, aos poucos o casal percebe que esta é a melhor fase da vida para se apaixonar...

Comentário

As roteiristas Yang Hee-seong (Oh My Ghostess, King of High School of Manners) e Kim Soo-jin-III (My Only Love Song) inspiraram-se na vida da atleta de levantamento de peso Jang Mi-Ran, para criar uma estória tão adorável, que mais parece uma fábula, Weightlifting Fairy Kim Bok-joo. A direção, também preciosa, está a cargo do PD Oh Hyeon-jong (A New Leaf).


Lee Seong-kyeong (Doctors) é a jovem levantadora de pesos Kim Bok-joo, cujo único sonho é ser uma grande campeã. Ela reside no campus da Universidade de Educação Física Hanwool, onde se dedica exclusivamente aos exaustivos treinamentos diários. Sua diversão consiste em sair para comer (muito!) e beber com as colegas, Seon-ok (Lee Joo-hyeong-II,- A Quiet Dream), e Jeong Nan-hee (Jo Hye-jeong,- Cinderella and Four Knights). Sua rotina é tranquila, exceto pelas rusgas com as vizinhas de dormitório, as garotas da equipe de ginástica rítmica. Como toda garota de sua idade, Kim Bok-joo gostaria de se apaixonar, mas o cara ideal ainda está para surgir em sua vida... E não parece ser o nadador Jeong Joon-hyeong (Nam Joo-hyeok -, Moon Lovers: Scarlet Heart Ryeo, Who Are You: School 2015), apesar de todas as suas qualidades: beleza, talento, simpatia... Acontece que Joon-hyeong, um amigo de infância, ainda guarda a lembrança de uma Bok-joo gordinha e sapeca, e sente prazer em provocar a garota com piadas inconvenientes, mesmo que sua intenção não seja a de magoá-la. Mas o coração de Bok-joo irá bater mais forte ao conhecer o Dr. Jeong Jae-i (Lee Jae-yoon-I,- Heartless City, Oh Hae-young Again), irmão mais velho de Joon-hyeong.


Kyeong Soo-jin (Plus Nine Boys) é a ginasta Song Si-ho, ex-namorada de Joon-hyeong, que volta ao campus depois de uma tentativa fracassada de entrar para o time olímpico de seu esporte. Song Si-ho, além de perder espaço para as atletas mais jovens, não tem recursos financeiros para preparar-se adequadamente para as competições. Deprimida, ela tenta reatar o namoro com Joon-hyeong.

Muitos espectadores têm preconceito com dramas escolares, por achar que é uma temática voltada exclusivamente ao público jovem, mas nem sempre é o caso. Weightlifting Fairy Kim Bok-Joo é um drama que retrata (e homenageia muito apropriadamente) uma das fases mais importantes e divertidas da vida, o período de transição da juventude para a maturidade, tanto emocional quanto profissional. Para quem já viveu esta fase é mais fácil simpatizar e compreender todas as dificuldades pelas quais os personagens deste drama passam. As incertezas profissionais, os conflitos familiares (quando os pais custam a romper o ‘cordão umbilical’ com os filhos) e, especialmente, os primeiros relacionamentos românticos sérios.


O carinho com que as roteiristas e o PD tratam os personagens, e a honestidade com que os temas são abordados, faz deste um drama tão especial quanto sedutor. Como eu havia comentado em outro post, Kim Bok-joo é uma protagonista que foge totalmente dos padrões de beleza e de caráter da maioria das heroínas retratadas nos dramas coreanos. A atriz Lee Seong-kyeong é uma jovem belíssima, que consegue despir-se de qualquer vaidade para retratar a atleta Kim Bok-joo. À primeira vista, é impossível não ficar espantado, e até achar engraçada a aparência ‘rústica’ de Kim Bok-joo, e de suas colegas da equipe de levantamento de peso. No entanto, aos poucos, o espectador é conquistado pela delicadeza do caráter de Bok-joo, e, como Joon-hyeong, começamos a perceber o quão linda é esta garota de braços de aço, e de coração de ouro.

O drama, além de atores jovens muito talentosos, tem um elenco adulto de luxo... Choi Moo-seong (Answer Me 1988) é o treinador Yoon Deok-man, e Jang Young-nam (A Werewolf Boy) é sua assistente, Choi Seong-eun. Na família de Bok-joo temos Ahn Kil-kang (Chuno), como o pai, Kim Chang-geol, e Kang Ki-yeong (Let´s Fight Ghost), como o jovem tio Kim Dae-ho.


Falando no elenco espetacular do drama, outro aspecto que me agradou muito foi a distribuição democrática do enredo entre os vários personagens, dando oportunidade para que todos tivessem suas estórias contadas, e contribuindo assim, para tornar o drama mais verossímil e envolvente. Muitas roteiristas famosas têm o hábito de criar personagens sem passado, sem família, e muitas vezes até sem amigos, que vivem uma existência artificial dentro de uma moldura imposta pela trama. Claro que fica bem mais fácil conduzir apenas um ou dois personagens, mas confesso que sinto falta, em dramas mais realistas, de ver o background do personagem ser melhor delineado. Nem queria citar nomes, mas a baladada escritora Kim Eun-sook tem, sabidamente, verdadeira ojeriza a dramas familiares (daí dá para entender o grande equivoco que foi o drama Heirs).

Em Weightlifting Fairy Kim Bok-Joo os protagonistas têm família e amigos íntimos, os quais, por sua vez, tem papel importante em suas vidas. Bok-joo é órfã de mãe, mas foi criada com toda a atenção possível pelo pai, Kim Chang-geol, que, apesar de sofrer de uma doença renal crônica, administra um restaurante, com a ajuda do irmão, Dae-ho.


Jeong Joon-hyeong foi abandonado pela mãe na infância, mas teve a sorte de ser acolhido pelos tios (os simpáticos atores Lee Jeong-eun e Jeong In-gi), que o criaram como um filho natural. Seu primo, Jeong Jae-i o trata como um verdadeiro irmão mais velho, pegando no seu pé, é verdade, mas também aconselhando sabiamente o jovem nos momentos difíceis. Joon-hyeong, compreensivamente, sente muita falta da mãe, mas reconhece o valor de sua família postiça.

Weightlifting Fairy Kim Bok-Joo é um drama que cala ao coração, independente de idade ou gênero, e que nos traz um exemplo fantástico de empoderamento feminino, com este personagem magnífico que é a levantadora de pesos, a fada Kim Bok-joo.

8 de mar de 2017

Be Positive (web-drama, 2016)




País: Coréia do Sul
Gênero: web-drama, romance, comédia romântica
Duração: 6 episódios
Produção: Naver TV, Samsung

Direção e Roteiro: Lee Byeong-heon-I

Elenco: Do Kyung-soo, Lee David, Chae Seo-jin, Kim Ee-seong, Nam Gi-ae, Kim Jong-soo.

Resumo

O estudante de cinema Hwan-dong enfrenta grandes dificuldades para produzir um filme. Apenas sua ex-namorada, Hye-jeong, uma atriz famosa poderá salvar seu projeto.

Comentário (com spoilers)

Be Positive (ou Positive Physique) é um web-drama financiado pela mega empresa coreana Samsung, com colaboração da Naver TV. A direção e roteiro são de um jovem e talentoso profissional, Lee Byeong-heon-I, conhecido por filmes como Twenty, ou Love Forecast.

E Lee Byeong-heon-I aproveita o gancho do (excelente) filme Twenty para falar sobre as mazelas da passagem da juventude para a vida adulta, nesta refrescante produção para a internet. Um micro-drama tão agradável que deixa no espectador a esperança de ver uma versão mais longa para a estória (de preferência com o mesmo elenco).

Com seu humor realista (mas compreensivamente nem tão pervertido como em Twenty), o diretor/roteirista conta a estória (autobiográfica?) de um estudante de cinema, e de seu reencontro com um amor do passado.

Do Kyung-soo (It´s Ok, That´s Love), é Kim Hwan-dong, um formando em cinema, que luta para levar a diante seu projeto de conclusão, um filme autoral. Quando o diretor do curso, o Prof. Ma (Kim Jong-soo, de Misaeng) avisa o estudante sobre a falta de verba no departamento para a produção do filme, tudo se complica. Aflitos, Hwan-dong e seu colega Hwang In-gook (Lee David, de Bring It On, Ghost) quebram a cabeça para encontrar uma saída para o problema. É aí que o Prof. Ma sugere a eles que convidem para participar do projeto uma jovem atriz famosa, ex-aluna da universidade. A princípio, o que parece uma boa ideia, torna-se uma dor de cabeça para Hwan-dong, já que a atriz em questão é Bang Hye-jeong (Chae Seo-jin, de Will You Be There), sua ex-namorada. Acontece que Hwan-dong e Hye-jeong não tiveram um rompimento dos mais amigáveis... Hwan-dong reluta, mas acaba chamando a jovem para uma entrevista e – para sua enorme surpresa – ela aceita participar da produção, mesmo sem garantia de um cachê, ou de uma exposição favorável. Resolvido o dilema, Hwan-dong monta a equipe de produção, recrutando parentes e amigos, mas ainda falta dinheiro para os gastos essenciais. Primeiro, ele pede dinheiro aos pais (o fantástico casal de atores Kim Ee-seong (Train to Busan, W – Two Worlds) e Nam Gi-ae (Oh Hae-Young Again, W – Two Worlds)), mas eles não parecem muito entusiasmados em investir na carreira de cineasta do filho. A alternativa é partir para o biscate, e Hwan-dong e In-gook tem de cavar muitos buracos (literalmente) para produzir seu primeiro filme.

Ao menos uma boa surpresa para Hwan-dong é descobrir que Hye-jeong não mudou nada, apesar da fama atual. Na verdade, ela tornou-se uma pessoa mais madura e sensata, e é quase impossível para Hwan-dong não se apaixonar de novo pela ex-namorada.

Be Positive traz uma estória simples, mas que trata com sensibilidade e (como sugere o título) otimismo, a importância da amizade, da família, e do amor verdadeiro. O elenco naturalmente encantador acrescenta muito à produção, especialmente Do Kyung-soo, um cantor que revelou recentemente seu talento como ator, e que tem sido requisitado especialmente no cinema, com filmes interessantes como Pure Love, My Annoying Brother, ou o mais recente, Room 7. Seu colega, Lee David já tem uma carreira prolífica tanto no cinema (Split, Pure Love) como na TV (Mirror of the Witch, Who Are You – School 2015). A surpresa agradável está na presença de Chae Seo-jin,  atriz de cinema (Curtain Call, Overman), irmã mais nova da famosa atriz Kim Ok-bin (Thirst, Yuna´s Street).

3 de mar de 2017

The White Tower (drama, 2007)




País: Coréia do Sul
Gênero: drama médico
Duração: 20 episódios
Produção: MBC TV

Direção: Ahn Pan-seok
Roteiro: Lee Ki-won

Elenco: Kim Myeong-min, Lee Seon- gyoon, Song Seon-mi, Park Hyeok-kwon, Han Sang-jin, Cha In-pyo, Ki Tae-young, Kim Min-joo.

Resumo

Este drama conta a estória do Dr. Jang, um cirurgião brilhante que torna- se obcecado pelo poder e a fama, e seu colega, o Dr. Choi, um pesquisador idealista, que sonha em descobrir a cura do câncer.

Comentário

The White Tower (também conhecido como Behind the White Tower) está naquela lista de dramas coreanos mais cultuados do que vistos, mas sua boa fama certamente é merecida. Para quem aprecia dramas médicos realistas, como Golden Time, ou Brain, The White Tower é um título essencial. Aliás, este drama mescla com maestria o retrato fiel da rotina de um grande hospital (Golden Time), com a guerra de egos entre os médicos e a política suja que envolve o poder corporativo (Brain, Romantic Doctor).

A direção está a cargo do conceituado PD Ahn Pan-seok (Heard It Through the Grapevine) e o roteirista é Lee Ki-won (Spotlight, 2008; Jejoongwon, 2010).

Kim Myeong-min (Beethoven Virus, Six Flying Dragons) é o Dr. Jang Joon-hyeok, um cirurgião brilhante, mas extremamente ambicioso, cujo grande objetivo é tornar-se diretor do departamento de cirurgia do centro hospitalar que também funciona como hospital escola. Acontece que o atual diretor, Lee Joo-wan (Lee Jeong-kil) não suporta o Dr. Jang, e faz de tudo para sabotar suas chances de assumir o cargo. Primeiro ele traz um candidato de fora, No Min-kook (Cha In-pyo), um jovem cirurgião coreano, que fez carreira nos EUA. Em seguida começa uma forte campanha para tentar difamar o Dr. Jang, e convencer o conselho médico a não votar nele, mas sim em seu candidato. O Dr. Jang, por outro lado, conta com a fidelidade de seus subalternos e demais estudantes de medicina, e com o apoio financeiro e os contatos políticos de seu sogro, o Dr. Min Choong-sik (Jeong Han-yong).


Alheio a esta batalha pelo poder está o Dr. Choi Do-young (Lee Seon- gyoon), colega e amigo do Dr. Jang, deste os tempos de faculdade. O Dr. Choi tem um perfil humanista, e uma bela carreira dedicada à clínica e à pesquisa do câncer gastrointestinal. A maior preocupação do Dr. Choi é conseguir financiamento para os caros e prolongados estudos científicos. Casado e pai de uma menina, Choi conta com o carinho incondicional de sua pequena família, com a qual, infelizmente, tem pouco tempo de convívio, devido à longa jornada laboral. Este é um ponto muito interessante do drama, que aborda com muita propriedade a dedicação absoluta dos médicos, e a rotina estressante do ambiente hospitalar. Apesar do caráter ambicioso e da frieza emocional do Dr. Jang, não dá para negar sua abnegação profissional. Um médico conceituado como o Dr. Jang não frequenta apenas o centro cirúrgico, mas é responsável por orientar seus alunos, produzir pesquisa científica, participar de seminários e congressos, sem esquecer a rotina da clínica diária.

Lee Seon- gyoon (Miss Korea, A Hard Day), assim como seu colega Kim Myeong-min, está sempre em busca de novos desafios como ator, e, mesmo em início de carreira já encarava com tranquilidade usual o papel de médico. A simpatia e naturalidade do ator fazem do Dr. Choi apenas mais um de muitos personagens realistas e ao mesmo tempo carismáticos de sua bela carreira. Impossível não ser fã deste ator tão talentoso e querido.


The White Tower é dividido em três grandes eventos na vida do Dr. Jang: a eleição para a direção do departamento de cirurgia, uma visita aos tribunais por um caso de erro médico, e, finalmente, seu maior e mais dramático desafio, tão inesperado quanto trivial.

Não há palavras que definam inteiramente a atuação brilhante de Kim Myeong-min. Eu costumava achar que Beethoven Virus era seu papel mais interessante, em termos de construção de personagem, e talvez, ao menos fisicamente, o seja, mas em The White Tower ele encontra o equilíbrio perfeito entre o gestual e a palavra. É difícil imaginar um ator que pudesse ter encarnado com tanta perfeição um personagem tão complexo quanto fascinante. Sim, fascinante é um bom adjetivo para descrever o Dr. Jang, e Kim Myeong-min transforma um personagem pouco simpático num homem cuja genialidade é obscurecida pelo desejo obsessivo de ser o melhor, custe o que custar. E um desfecho surpreendente, mas com um toque de nobreza, faz justiça a este personagem inesquecível, o Dr. Jang.
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...