26 de mai de 2014

Secret (drama, 2013)


País: Coréia do Sul
Gênero: Drama, Romance
Duração: 16 episódios
Produção: KBS2 TV

Direção: Lee Eung-bok
Roteiro: Choi Ho-chul, Yoo Bo-ra

Elenco: Hwang Jeong-eum, Ji Seong, Bae Soo-bin, Lee Da-hee.

Resumo

A noite que deveria ter sido uma das mais felizes na vida de um casal acaba em um trágico acidente que irá mudar seu destino para sempre. Uma mulher que, em nome de seu amor incondicional, assume a culpa por um atropelamento e passa longos anos na prisão. Em liberdade, ela terá lidar com a traição do noivo, e o desejo cego de vingança do homem que perdeu sua amada no acidente.

Comentário

Secret é um melodrama peculiar, que se vale do esquema ‘makjang’* de forma Intencional, mas com um ritmo mais acelerado, típico dos dramas de suspense.

*elemento estilístico, tonal ou narrativo em dramas que optam por tramas chocantes, como recurso para manter a audiência envolvida, não importando o quão absurda a estória se torne – adultério, vingança, segredos de nascimento, doenças fatais, são alguns dos ‘ganchos’ favoritos dos makjang.

É por este motivo que Secret pode ser recomendado até mesmo aos espectadores mais avessos ao gênero melodrama. Os 16 episódios de Secret conseguem condensar de forma ágil uma estória que costuma se estender por mais de cinquenta capítulos nos melodramas tradicionais coreanos.


Kang Yoo-jung (Hwang Jung-eum, de Golden Time) é uma jovem de 26 anos, que mora com o pai, viúvo, dono de uma modesta padaria. Para ajudar nas despesas e dívidas da família ela assume vários trabalhos temporários, de caixa de pedágio, a motorista designada. Ela namora Ahn Do-hoon (Bae Soo-bin, de 49 Days), também um homem de família humilde, e que batalhou muito (inclusive com a ajuda financeira da namorada) para chegar ao cargo de promotor de justiça.

No aniversário de sete anos de namoro do casal, eles se reúnem para jantar e Do-hoon finalmente pede Yoo-jung em casamento. Na volta de carro, em uma noite chuvosa, ao desviar de um caminhão que fazia uma manobra irregular, Ahn Do-hoon acaba atropelando uma mulher.

É a partir daí que a vida do casal vira um pesadelo... O jovem promotor, temendo ver sua carreira arruinada pelo infeliz acidente, convence a noiva a assumir a culpa no lugar dele. Condenada a sete anos de prisão, Kang Yoo-jung se apoia na esperança de sair em breve, em regime condicional, e reencontrar seu amado. Mas o que a espera do lado de fora não é amor, ou piedade, mas desprezo e ódio.  Ahn Do-hoon receia que sua carreira pública seja afetada pela ligação pessoal com uma ex-presidiária, sem contar com a possibilidade de que alguém venha a descobrir o seu verdadeiro envolvimento no crime de atropelamento e fuga.


Para piorar as coisas, Kang Yoo-jung nem faz ideia de que um grande inimigo a espera ao sair da prisão... Jo Min-hyuk (Ji Seong, de Protect the Boss) jurou vingança contra a pessoa que provocou a morte de sua amada Seo Ji-hee (Yang Jin-sung, de The Bride of the Century). Sem saber que Yoo-jung também é uma vítima na situação, ele a persegue implacavelmente, chegando ao ponto de quase matá-la com as próprias mãos.

No entanto, com a proximidade, Jo Min-hyuk não demora a perceber o caráter honesto e dócil da moça, e começa a questionar-se sobre a verdadeira responsabilidade dela no acidente. E como se costuma dizer, a distância entre o amor e ódio muitas vezes é pequena...


Embora eu não seja uma grande fã da atriz Hwang Jung-eum, devo admitir que ela dá um show de interpretação como a sofrida Kang Yoo-jung. Já o ator Ji Seong encarna com talento, mais uma vez, o chaebol imaturo e com ares rebeldes (papel muito semelhante ao de Protect the Boss). Ji seong tem a habilidade de transformar um personagem a princípio egoísta e antipático, em alguém digno de pena e finalmente, de admiração. E, sinceramente, nos primeiros episódios do drama não é fácil suportar a infantilidade e egocentrismo de Jo Min-hyuk. Igualmente interessante é o modo como Kang Yoo-jung também sofre uma grande transformação ao longo do tempo – de mulher submissa e ingênua, a uma pessoa que resolve assumir a responsabilidade pelo próprio destino, e lutar pela restauração de sua honra.

É neste ponto que pesa a balança da justiça... Vingança versus perdão, ganância versus desapego... Secret revela até que ponto um ser humano pode chegar em nome da ambição e do ciúmes, sentimentos que só podem ser bloqueados pela força da abnegação e do amor sincero.


Um drama bonito, com uma estória de amor comovente, embora às vezes de intensidade quase sufocante, e, mesmo assim, imperdível.
 
Secret foi escrito a quatro mãos pelas roteiristas novatas Yoo Bo-ra e Choi Ho-chul, premiadas em concursos de roteiros realizados pela rede KBS. A direção ficou a cargo de Lee Eung-bok (School 2013, Dream High).

21 de mai de 2014

A New Leaf (drama, 2014)


País: Coréia do Sul
Gênero: drama
Produção: MBC TV
Duração: 18 episódios

Direção: Park Jae-beom-I
Roteiro: Choi Hee-ra

Elenco: Kim Myeong-min, Park Min-yeong, Kim Sang-joong, Chae Jeong-na, Jin Lee-han, Choi Il-hwa, Lee Han-wi, Oh Jeong-se, Kim Yoon-seo.

Resumo

Um advogado brilhante, mas muito ambicioso, perde a memória após um acidente, e acaba reavaliando sua postura de vida.

Comentário

O tema central de A New Leaf é simples e até mesmo pouco original, e, sendo assim, cabe à roteirista criar algo que nos surpreenda e emocione.

Bem, para começar, a escritora Choi Hee-ra possui um histórico curto mas consistente, com dois dramas médicos de sua autoria, OB and GY (2010), e Golden Time (2012). Em A New Leaf ela muda de tema, - para o direito legal - mas continua com sua ‘obsessão’ por enredos complexos, que certamente lhe exigem muita pesquisa. E é bom alertar aos desavisados, ou aos que não apreciam dramas legais, que a trama pode ser confusa e até mesmo maçante, em boa parte do tempo.

Felizmente, para quem curte dramas médicos, legais, enfim, que mergulhem com maior profundidade em temas específicos (como p.ex. Midas, ou Legal High), A New Leaf é uma boa pedida. E se este tipo de estória conseguir conciliar o drama com uma pitada de bom humor, ainda melhor! Para mim este o ponto mais positivo, até agora, deste drama. Como espectador, é sempre um bônus poder rir um pouco, mesmo diante de um assunto tão sério. O mesmo acontecia no belo drama médico Golden Time, que sabia expor as falhas humanas dos profissionais da saúde, mas sem denegrir sua imagem ou seu propósito maior que era o de salvar vidas.


Em A New Leaf, a produção pôde contar com um elenco muito bom, ancorado pelo sempre brilhante Kim Myeong-min (Beethoven Virus), um ator camaleônico, metódico, que adora novos desafios. Em A New Leaf, Kim Myeong-min incorpora o advogado Kim Seok-joo, o principal funcionário de um grande escritório especializado em direito corporativo. Desde a primeira cena, ficamos sabendo que Kim Seok-joo não mede esforços para chegar aos seus objetivos, ou seja, ganhar o maior número de causas possíveis e, consequentemente, milhões em dinheiro. Na verdade, ele não parece obcecado pela riqueza, mas muito mais pelo sabor da vitória. Ele é o tipo de pessoa que sente prazer em demonstrar aos adversários sua genialidade e invencibilidade. E como a estória revela mais adiante, a origem da ganância do advogado Kim Seok-joo parece estar intimamente relacionada com seu relacionamento turbulento com o pai. Acontece que o pai, Kim Shin-Il (Choi Il-hwa de The Bride of the Century, The City Hall) é um advogado aposentado, que atuava na área de direitos humanos, e que, por isso mesmo, despreza a escolha do filho em defender os ricos e poderosos.


A jovem atriz Park Min-yeong (City Hunter, Sungkyunkwan Scandal) é Lee Ji-yoon, uma advogada recém-formada, que consegue uma vaga de estagiária no escritório de Kim Seok-joo. Lee Ji-yoon é uma jovem alegre, cheia de ideais, apesar da inexperiência. Dito isso, apesar da juventude e certa imaturidade, o comportamento de Lee Ji-yoon é, em muitas ocasiões, inverossímil, para não dizer tolo. Ora, esta jovem resolveu por livre e espontânea vontade concorrer a uma vaga em um escritório de advocacia conhecido por defender grandes corporações financeiras. Só que ao se defrontar com os meios agressivos (para não dizer desonestos) usados por seus superiores para ganhar as causas, ela fica chocada e chega ao cúmulo de criticar abertamente o advogado Kim Seok-joo. Pois é, alguém pode dizer que são coisas da ficção, que devem ser relevadas, mas acho que isto tira um pouco do respeito pelo personagem. E como é uma mulher a responsável pelo roteiro, seria interessante ver retratada uma personagem feminina mais realista. Apesar deste pequeno deslize, vale ressaltar que o personagem de Park Min-yeong tem um papel vital na regeneração emocional e ética de nosso herói. É através do bom caráter e da visão extremamente ética de sua assistente que Kim Seok-joo começa a perceber como sua vida estava sendo desperdiçada.



Quero destacar outros personagens importantes, a começar pelo chefe de Kim Seok-joo, Cha Young-woo, sócio majoritário dono do escritório de advocacia que leva seu nome. O advogado Cha é interpretado pelo grande ator Kim Sang-joong (The Chaser, Doctor Stranger), que com seu charme e carisma únicos, forma uma dupla de sonho com Kim Myeong-min.

No sétimo episódio surge um novo personagem, Yoo Jung-sun (Chae Jeong-an, de The Prime Minister and I) a noiva de Kim Seok-joo. O advogado não a reconhece e mal consegue disfarçar o choque ao tomar conhecimento sobre a existência do relacionamento com a filha de um chaebol.
 
Por outro lado, eu tinha achado muito promissor o ‘clima’ entre Kim Seok-joo e a promotora Lee Sun Hee (Kim Suh Hyung, de Empress Ki), e ficou subentendido que os dois já tiveram um romance no passado.

Enquanto isso, Lee Ji-yoon tem de aguentar as fofocas sobre seu suposto relacionamento pessoal com o chefe, embora esteja de olho em um belo vizinho, Jeon Ji-won (Jin I-han, de Empress Ki), um jovem e respeitado juiz. O sempre divertido Oh Jeong-se (Miss Korea) é Park Sang-tae, advogado e melhor amigo de Seok-joo.

A direção de A New Leaf prima pelo bom gosto e elegância, o que não surpreende, dada a experiência passada de Park Jae-beom-I como diretor de arte e produtor. O interessante é que esta é a estreia do talentoso Park Jae-beom-I na direção, já que ele é mais conhecido como roteirista de dramas médicos (God´s Quiz e Good Doctor).

14 de mai de 2014

DOCTOR STRANGER e outras novidades


Os períodos de bons ou de maus dramas vêm em ciclos, como a variação do clima, e, felizmente, esta é uma temporada de tempo muito bom!

As ofertas de dramas interessantes são tantas, que é recomendável fazer uma lista de prioridades na hora de escolher aqueles que valem a pena serem vistos ao vivo – não é preciso entrar em pânico, pois podemos guardar os demais para os tempos de “vacas magras”, ou para fazer uma bela maratona de feriado.

Bem, mas vamos ao que interessa... Entre as principais estreias, pelo menos três dramas se destacam já desde os primeiros episódios, e são eles: Triangle, Doctor Stranger e You´re All Surrounded.

Estas três séries tem muito em comum, especialmente a combinação explosiva de ação e melodrama familiar. Escolher apenas uma entre as três vai depender mais da sua preferência pessoal pelo elenco, do que pela qualidade destas produções, que estão muito positivamente niveladas.

Em Doctor Stranger, temos o jovem e já tão famoso Lee Jong-suk, que vem chamando a atenção desde os tempos de coadjuvante – em Secret Garden – até seu último grande sucesso - I Hear Your Voice. Embora ainda tenha muito a evoluir como ator, Lee Jong-suk consegue compensar sua inexperiência com uma dose absurda de carisma, energia e, por que não dizer, beleza.



*Doctor Stranger (SBS, 20 episódios)
 
Outro ator que se destaca pela beleza angelical é Kim Jae-jung, mais conhecido como cantor pop do trio JYJ. Assim como seu parceiro musical, Park Yoochun, Kim Jae-jung migrou com sucesso para o mundo da atuação, tendo intercalado trabalhos no cinema (Codename: Jackal) e na TV (Protect the Boss), com boa aceitação do público em geral, e não apenas das fãs. E Kim Jae-jung parece estar interessado em buscar desafios cada vez maiores como ator, talvez influenciado pelo amigo Yoochun. O fato de Jae-jung levar tão a sério seu trabalho como ator merece elogios, já que seu sucesso como cantor solo só vem crescendo ao longo dos anos. Já nas primeiras cenas de Triangle Kim Jae-jung impressiona com um personagem de personalidade forte e sensualidade crua, que lembra muito o ícone James Dean. As fãs mais jovens do ator devem ter ficado chocadas com as cenas ousadas protagonizadas por ele, e certamente veremos muito mais nos próximos episódios...


*Triangle (MBC, 24 episódios)

Para completar, temos Lee Seung-gi, também relativamente novato no ramo, mas que, combinando sua carreira de cantor com a de ator, tem atraído uma legião cada vez maior de fãs. Entre estes três astros, pode-se dizer sem hesitar, que Lee Seung-gi é o melhor ator, ou pelo menos o mais naturalmente talhado para a profissão. Foi em King 2 Hearts que público e crítica chegaram ao consenso de que estava nascendo ali um grande ator. Agora ele chega em You´re All Surrounded, uma trama policial que mistura ação, comédia e melodrama em uma salada que, esperemos, não saia do controle nos próximos episódios. Se o primeiro episódio começou com uma transição um tanto pesada da comédia para o drama de vingança, a segunda hora de You´re All Surrounded foi bem mais agradável. A verdade é que embora o elenco jovem deste drama seja muito talentoso, meu maior prazer é ver Cha Seung-won, lindo como sempre, e incorporando como ninguém seu personagem desde a primeira cena. Amo este homem!


*You´re All Surrounded (SBS, 20 episódios)

Doctor Stranger é mais uma produção impecável do canal SBS, cujos dramas podem não ser os mais ousados, mas não decepcionam quanto à qualidade estética. Fotografia brilhante, direção competente, música emocionante, e, é claro, elenco estelar, fazem de Doctor Stranger um drama a prova de críticas, ao menos em seus primeiros capítulos... Agora, se a trama irá se sustentar, só o tempo dirá. Doctor Stranger conta a estória de Park Hoon, um menino que é obrigado a migrar da Coréia do Sul para a ditadura do Norte, acompanhando seu pai médico, em uma missão secreta. Anos depois, Park Hoon volta ao seu país como um cirurgião brilhante, cujo único objetivo é reencontrar o amor de sua vida, Jae-hee... Mas para isso ele terá que enfrentar um antigo inimigo, Jang Seok-joo, um poderoso político que arruinou a vida de sua família.

Com uma trama tão absurda, eu recomendaria Doctor Stranger especialmente aos fãs de Lee Jong-suk, não apenas por seu protagonismo absoluto, mas pela sinceridade que ele imprime ao personagem. É difícil imaginar um ator da mesma geração de Lee Jong-suk encarnando tão bem o papel do jovem médico Park Hoon. A grande dúvida fica quanto à capacidade do drama em manter o ritmo de ação e emoções intensas dos dois primeiros episódios... Ou será que Doctor Stranger vai acabar como mais um tradicional drama médico?


Entre os três dramas mencionados, o que mais me impressionou foi Triangle, em todos os aspectos. Triangle conta a estória de três irmãos que ficam órfãos, acabam separados e, passados 20 anos, se reencontram adultos. O irmão mais velho, Dong-soo (Lee Beom-soo), é um detetive de polícia dedicado, mas dado a ataques de fúria. Uma amiga de infância, Shin-hye (Oh Yeon-su), psiquiatra e cientista forense, é chamada para tentar tratar dos problemas psicológicos de Dong-soo. O irmão caçula, Dong-woo (Siwan), foi adotado quando bebê por uma família rica, e passou a chamar-se Yoon Yang-ha. O irmão do meio foi batizado como Dong-cheol, mas agora se chama Young-dal (Kim Jae-joong). Young-dal se acha um rebelde, mas não passa de um pequeno marginal, cavando dinheiro onde pode, trabalhando com agiotagem, extorquindo dinheiro de mulheres, etc., tudo para sustentar seu vicio em jogos de azar. Não é nada surpreendente o modo como Lee Beom-soo (Giant) nos convence de cara com seu policial torturado (e irado) Dong-soo, dado seu histórico de grandes atuações. Fiquei impressionada mesmo é com a intensidade de Kim Jae-jung no papel de Young-dal. A melancolia em sua voz ao cantar certa música – provavelmente uma lembrança de infância, compartilhada pelo irmão mais velho – é comovente... Mal posso esperar pelos próximos capítulos deste trágico drama familiar.
 
Bem, não faltam dramas de qualidade, basta fazer sua escolha... E se estiver em uma vibe mais romântica, fique com Hotel King, ou Witch´s Romance, que estará muito bem servido!
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...