19 de dez de 2010

When Romance Meets Destiny/ Lost and Found (filmes)


When Romance Meets Destiny (Filme)
País: Coréia do Sul
Ano: 2005
Gênero: Comédia Romântica, Drama
Duração: 104 min.
 
Direção e Roteiro: Kim Hyeon-seok
Elenco: Kim Joo-hyeok (Terroir, My Wife Got Married, Love Me Not), Bong Tae-gyu (Two Faces of My Girlfriend, The Birth of a Family), Lee Yo-won (The Recipe, Queen Seon-deok - kdrama).


Resumo

Dois irmãos, Kwang-sik e Kwang-tae, se comportam de forma oposta quanto às mulheres. Kwang-sik é muito tímido e não consegue nem falar com uma garota. Kwang-tae, ao contrário, é um playboy. Um dia, Kwang-sik encontra Yoon-kyung, que não via há sete anos e tenta, a seu modo, confessar seu amor por ela. Enquanto isso, Kwang-tae conhece Kyung-jae durante uma maratona e tenta conquistá-la. No começo , Kwang-sik ainda acha difícil até mesmo falar com Yoon-Kyung, e seu irmão considera Kyung-Jae apenas mais uma conquista. Mas essas duas experiências românticas vão mudar a vida dos irmãos.


Lost and Found (Filme)
Título Alternativo: "Sweet Lie"
País: Coréia do Sul
Ano: 2008
Gênero: Comédia Romântica

Duração: 113 min.

Direção: Jeong Jeong-hwa
Roteiro: Jeong Jeong-hwa, Yoo Seung-hee
Elenco: Park Jin-hee (Ji-ho), Jo Han-seon (Dong-sik),  Lee Ki-woo (Min-woo).

Jo Han-seon (1981): A Beter Tomorrow (2010), My New Partner (2007), Cruel Winter Blues (2006).
Lee Ki-woo (1981): Sin of a Family (2010), Star´s Lover (kdrama, 2008).
Park Jin-hee (1978): 71-Into the Fire (2010), Giant (kdrama, 2010), The Woman Who Still Wants to Get Married (2009), Love in Magic (2004).

Resumo

Roteirista de TV, Ji-ho, nutre um amor secreto pelo mesmo homem há dez anos. Depois de uma noite de bebedeira com amigos, ela acorda para enfrentar o pior dia de sua vida. Ela descobre que seu programa de TV foi cancelado por baixa audiência, e ela foi demitida. Sua bolsa é roubada a caminho de casa e, ao perseguir o meliante, é atropelada por um carro. Mas a cadeia de eventos desafortunados acaba sendo um presente de deus. O homem que a atropelou é o mesmo pelo qual ela é apaixonada desde os tempos de escola. Depois de bater a cabeça contra o carro, ela finge não lembrar-se de nada e Min-woo não tem outra escolha senão levá-la para casa com ele. O amigo de infância de Ji-ho, Dong-sik, fica preocupado com o sumiço dela. Ele sai a sua procura e ao descobrir que ela perdeu a memória, está determinado a ajudá-la a recuperá-la.

When Romance Meets... a Sweet Lie

Kwang-sik e Ji-ho são almas gêmeas, embora eles não estejam destinados a se encontrar. Ambos se apaixonaram por colegas de escola, e por timidez, nunca tiveram coragem de declarar seu amor. E essa paixão de adolescência marcou suas vidas para sempre. A vida sentimental de ambos é um fracasso, e suas carreiras profissionais parecem refletir sua insegurança emocional.

Até que o destino dá uma segunda chance para que Kwang-sik e Ji-ho conquistem seu tão sonhado amor.


Kwang-sik tem o apoio do irmão mais novo, e os dois tem uma bela amizade. Porém são muito diferentes, já que Kwang-tae, apesar da feiúra, tem um ego enorme, e sempre consegue conquistar a garota desejada. Só lhe falta a maturidade para reconhecer e preservar um amor verdadeiro.


Kwang-sik, por outro lado, é tão obcecado por essa mulher que idealizou por anos em sua cabeça, que não consegue se livrar da fantasia e encarar a realidade.


Ji-ho tem a amizade de infância de Dong-sik. E vivendo de sonhos do passado, ela não percebe um amor muito mais duradouro que está bem à sua frente.


When Romance... e Lost and Found são dois bonitos filmes sobre as ‘dores’ do amor. Estórias delicadas, divertidas, às vezes amargas, e em ambos os casos, com elenco impecável.

Em When Romance vale destacar o ator Kim Joo-hyeok – tão suave e sedutor no filme Love Me Not, e no drama Terroir – e aqui tão diferente, mais ‘cheinho’, com carinha de ‘nerd’. Grande ator!


Mas eu gostei mais de Lost and Found. É claro que é mais fácil se identificar e se divertir assistindo as desventuras de um personagem do mesmo sexo da gente – no caso, Ji-ho – mas o interessante dessa estória é que ela dá espaço ao ponto de vista dos demais personagens, principalmente Dong-sik. E é tão doce esse jovem Dong-sik!

O ator Jo Han-seon, como o vendedor de roupas íntimas, Dong-sik.

O charmoso Lee Ki-woo, como o arquiteto que é a paixão de adolescência de Park Jin-hee.
 
E a atriz Park Jin-hee está maravilhosa como sempre. Ela tem um timing ótimo para comédia, mas também é uma excelente atriz dramática. Recomendo vê-la no drama The Woman Who Still Wants to Get Married.

Notas
- Jo Han-seon faz uma participação especial (e muito engraçada) no primeiro episódio do drama The Woman Who Still Wants to Get Married, como noivo de Park Jin-hee.
- O último trabalho de roteiro e direção de Kim Hyeon-seok é a comédia romântica Cirano Agency. Um bom filme, que THC já assistiu e vai comentar quando saírem as legendas em inglês.

10 de dez de 2010

Moss (filme, 2010)




"You should live like moss, you know, quietly, almost invisibly, stuck underneath a stone"

País: Coréia do Sul
Duração: 163 min.
Gênero: Drama, Thriller
Direção: Kang Woo-seo
Roteiro:  Jeong Ji-woo
Elenco: Jeong Jae-young, Park Hae-il, Heo Joon-ho , Yoo Seon, Yoo Joon-sang, Yoo Hae-jin.
Resumo

Ryoo Mok-hyeong (Heo Joon-ho), um membro de um culto religioso localizado em uma vila remota, é respeitado por sua liderança e talento para a pregação. Para construir uma nova igreja ele pede ajuda do policial Cheon Yong-deok (Jeong Jae-young). Muitos anos se passam e Mok-hyeon é encontrado morto após beber em companhia de Yong-deok. O filho de Mok-hyeong, Hae-gook (Park Hae-il), chega de Seul para o funeral do pai que ele não via há anos. O jovem logo descobre que os moradores da vila estão tentando esconder algo dele sobre as circunstâncias da morte do pai. Hae-gu então planeja descobrir a verdade sobre o passado do pai. 

Comentário (com spoilers!)

Moss é baseado em um ‘manhwa’ que fez tremendo sucesso na internet em 2009. Eu não li os quadrinhos originais, mas em entrevista o diretor do filme comentou ter modificado a estória, principalmente seu desfecho. E a maioria dos comentários de quem é fã do ‘manhwa’, sobre o filme, não é dos mais elogiosos. Mas partindo-se do princípio de que a maioria das pessoas não conhece o original, vamos nos deter apenas no filme.

Kang Woo-seok é um dos melhores diretores de cinema da Coréia do Sul; dirigiu um de meus filmes favoritos, Silmido(em DVD no Brasil). Assim sendo, um dos destaques de Moss é a direção – não é a toa que ele já recolheu prêmios de melhor direção em vários festivais este ano.

Mas o ponto forte do filme certamente é o elenco. Que grupo impecável e coeso de atores! Sem histrionismo, cada ator constrói seu personagem de forma única e marcante. Apesar de Kang Woo-seok ser considerado um diretor de ‘blockbusters’, acho que uma de suas maiores qualidades é a direção de atores – vide o já citado ‘Silmido’, outro exemplo de um casting inesquecível. Os demais detalhes técnicos e artísticos do filme também são nota dez: fotografia, design, música, etc.

Moss é um filme longo, 163 minutos. Quando assisti ao filme, não sabia qual era a sua duração, e não percebi o tempo passar. Na verdade, fiquei com a sensação de que faltava muito para contar. Às vezes o artifício do flashback pode ser bem irritante, mas nesse caso, parece ter faltado mostrar mais do passado dos personagens, especialmente a transformação na relação do evangelizador Mok-hyeong com seus seguidores e com os homens que o ajudaram no sonho de criar uma ‘sociedade alternativa’.

Pode-se dizer que a estória se desenrola muito bem, de forma pausada, mas muito climática, com cenas assustadoras (como a da fuga pelo túnel) de puro terror psicológico. Jeong Jae-young, como o ex-policial e líder da vila, Cheon, é um dos personagens mais assustadores da estória do cinema. Achei que ele ficaria caricato com aquela maquiagem de velho, mas não, é uma transformação impressionante, tanto na voz como na postura – você se esquece do ator e acredita e teme o personagem. É um dos grandes motivos pelo qual vale muito à pena desfrutar desse filme.


Como já mencionei, todo elenco é maravilhoso. Impossível esquecer-se do olhar de Park Hae-il em Memories of Murder, grande jovem ator.Yoo Joon-sang (como promotor de justiça) é um charme, e seu personagem divertido dá certo alívio merecido aos demais momentos soturnos do filme. Aliás, é outra qualidade do diretor Kang, sempre dar um toque de humor (sem cair no ridículo) aos seus filmes.

 Acho que o que as pessoas mais podem reclamar de Moss é – sim- o seu final. Depois de tanto suspense, o desfecho é bastante frustrante, anticlimático mesmo. Mas por outro lado, analisando pela razão e não pela emoção, é um final razoável por seu realismo. Afinal, apesar do suspense, não se trata de uma estória de fantasmas ou bruxarias. E o que move- sempre – a raça humana? Dinheiro, poder, e de preferência os dois juntos. E sempre que se mistura religião e os dois ingredientes acima, a coisa vai mal.

Assista Moss, tire suas próprias conclusões, e depois trate de ver todos os filmes do ator Jeong Jae Yeong, pois ele é maravilhoso!

Mais...

O jovem ator Park Hae-il (1977) debutou no cinema coreano com Waikiki Brothers, e segue uma carreira de muito sucesso e com muito respeito da crítica. Alguns filmes: Memories of Murder (DVD, Brasil), The Scent of Love, Rules of Dating, The Host (DVD, Brasil). Seu mais novo projeto é Heart Is Beating, com Kim Yoo-jin (da série Lost).


Jeong Jae-yeong (1970), um dos grandes astros do cinema coreano, já trabalhou com alguns dos diretores mais importantes de seu país, e recebeu prêmios como o Blue Dragon Award (Melhor Ator em 2004, pelo filme Silmido). Fimografia: The Divine Weapon, Castaway on the Moon, Going by the Book, entre muitos outros.

Yoo Joon-sang (1969): Ha Ha Ha (2009), The Days of My Youth (2010).


Prêmios do Filme:
- 2010 Blue Dragon Awards: Jeong Jae-young , Melhor Ator; Yoo Hae-jin, Ator Coadjuvante;  Kang Woo-seok, Direção.
- 8th Korea Film Awards: Yoo Hae-jin, Ator Coadjuvante.
- 47th Daejong (Grand Bell) Film Awards: Kang Woo-seok, Direção; Efeitos Sonoros, Direção de Arte e Fotografia.
- 18th Icheon Chunsa Film Festival: Melhor Filme, Direção, Fotografia, Edição, Música; Yoo Joon-sang, Ator Coadjuvante.

1 de dez de 2010

Wives and Daughters (BBC TV)



Wives and Daughters (Esposas e Filhas) é uma série em 4 episódios, uma adaptação de 1999 da BBC TV para o romance Wives and Daughters: An Everyday Story, da escritora vitoriana Elizabeth Gaskell.

A estória é centrada em Molly Gibson (Justine Waddell), a filha de um médico do interior, a as mudanças que ocorrem em sua vida após seu pai viúvo resolver casar novamente. A união traz para a vida até então tranqüila dela uma madrasta rigorosa (Francesca Annis) e uma irmã postiça namoradeira, Cynthia (Keeley Hawes), enquanto uma amizade com um vizinho traz à tona um romance inesperado.

A adaptação é escrita por Andrew Davies e a direção é de Nicholas Renton.
O elenco inclui Sir Michael Gambon, Penelope Wilton, Bill Paterson e Rosamund Pike.

A Autora

Elizabeth Cleghorn Gaskell (1810 – 1865),foi uma autora inglesa que escreveu roamnces e contos durante a Era Vitoriana. Seus romances oferecem um retrato detalhado das vidas das várias camadas sociais da época, incluindo os muito pobres, e por esse motivo são de interesse tanto dos historiadores como dos amantes da literatura.

O primeiro romance de Gaskell, Mary Barton, foi publicado anonimamente em 1848. Os demais romances mais conhecidos dela são Cranford (1853), North and South (1854), e Wives and Daughters (1865). Cranford e North and South também foram adaptados com sucesso para a telinha.

Ela se tornou uma escritora popular em sua época, e suas estórias de fantasmas eram muito apreciadas. Teve ajuda do escritor Charles Dickens, que publicou seus trabalhos na revista Household Words. Suas estórias de fantasmas são muito distintas, na veia "Gótica", de sua ficção industrial.

Embora seu estilo se acomode às convenções vitorianas (incluindo assinar seu nome como “Sra. Gaskell”), ela frequentemente emoldura suas estórias como críticas às atitudes contemporâneas. Ela foca assuntos como o trabalho nas fábricas e o papel da mulher na sociedade, com narrativas complexas e personagens femininos dinâmicos.

Além de seu trabalho ficcional, Gaskell escreveu a primeira biografia de sua colega escritora, Charlotte Brontë.

A série North and South já está disponível em DVD no Brasil.


Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...